Rússia diz que não tem intenção de interferir nas eleições dos EUA


O tom subiu entre a Rússia e os Estados Unidos, depois que o presidente americano, Joe Biden, declarou que Moscou poderia tentar interferir nas eleições americanas de meio mandato em 2022. O Kremlin respondeu nesta quarta-feira (28) que o democrata está “fundamentalmente enganado” em sua análise sobre o país.

“Estamos vendo uma compreensão e um conhecimento errôneos sobre a Rússia contemporânea”, declarou o porta-voz do governo russo, Dmitri Peskov, em resposta às acusações de Biden. Peskov garantiu que Moscou “não tem a menor intenção de interferir em processos eleitorais de outros países”.

As trocas de farpas ocorrem durante um encontro estratégico que está sendo realizado em Genebra, na Suíça, para tentar recuperar as degradadas relações entre os dois países. A reunião está sendo realizada a portas fechadas. Ela é liderada pelo vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Serguei Riabkov, e a secretária adjunta do Departamento de Estado americano, Wendy Sherman.

Na terça-feira (27), Biden declarou que o governo russo estava violando a soberania americana ao propagar desinformações sobre as eleições de meio mandato nos Estados Unidos, previstas para 2022. O democrata também criticou o presidente russo, Vladimir Putin, afirmando que ele “tem um problema real, é o chefe de uma economia que tem armas nucleares e poços de petróleo e nada mais”. “Ele sabe que está com problemas e na minha opinião isso o torna ainda mais perigoso”, reiterou, segundo o UOL.

Dimitri Peskov, porta-voz do Kremlin

Dimitri Peskov, porta-voz do Kremlin (Foto: Prensa Latina)