RS: Prorrogação da desoneração da folha de pagamento pode ajudar a melhorar desempenho da indústria do estado

O setor da indústria do Rio Grande do Sul vem acumulando quedas no desempenho desde fevereiro, por conta da pandemia, e teve a retração mais forte de 2020 em agosto (7,2%), segundo o Índice de Confiança de Desempenho Industrial, da Federação das Indústrias (FIERGS) do estado. 

A expectativa dos empresários é de que esse cenário comece a mudar o mais breve possível. Como uma das medidas para manter a economia aquecida e diminuir a perda de empregos no país, o Congresso Nacional derrubou, em novembro, o veto presidencial à prorrogação da desoneração da folha de pagamento até o final de 2021.

Essa decisão do Legislativo pode ter efeito positivo na indústria gaúcha, já que entre os 17 setores abrangidos pelo benefício fiscal encontram-se, por exemplo, calçados, couro, máquinas e equipamentos, e proteína animal. Juntos, esses segmentos configuram percentual importante da economia do Rio Grande do Sul. O estado é o segundo maior produtor de chinelos do Brasil e o principal fabricante de calçados de couro, de acordo com a Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados). O setor de máquinas e equipamentos também figura entre os destaques econômicos da unidade da Federação, com participação de 9,4% no PIB industrial, de acordo com a FIERGS. 

Emprego no Amazonas pode manter retomada com prorrogação da desoneração da folha de pagamento

Prorrogação da desoneração da folha de pagamento pode ajudar retomada do emprego em Niterói

Na avaliação do deputado federal Lucas Redecker (PSDB/RS), a derrubada do veto presidencial garante, além de empregos em 17 setores da economia, competitividade na produção para o mercado doméstico e externo. “O grande impacto é a garantia dos 17 segmentos da indústria, que hoje dependem e que já têm a desoneração da folha. Garante que eles tenham competitividade, não apenas para produzir no país, mas a competitividade com o mercado externo, com os setores exportadores. Conseguimos fazer com que esses 17 setores planejem o ano que vem e que consigam ter fôlego e sobrevida financeira da folha”, ressalta.  

A desoneração da folha permite que empresas desses setores possam contribuir para a Previdência Social com um percentual que varia de 1% a 4,5% sobre o faturamento bruto, em vez de 20% de contribuição sobre a folha de pagamento.

O professor de Economia da Universidade de Brasília (UnB), Newton Marques, também enxerga na prorrogação da desoneração dos encargos trabalhistas a manutenção de empregos. Marques ressalta, no entanto, a necessidade de uma contrapartida do benefício. “A desoneração é positiva para a economia. A atividade econômica está muito em baixa e qualquer vantagem que tenha para o lado do empresariado facilita. Os benefícios têm que ter contrapartida para que os empresários consigam manter pelo menos uma parte do nível de emprego”, avalia o professor.

Empregos na indústria

Embora o saldo entre admissões e desligamentos na indústria gaúcha seja negativo no acumulado do ano, o setor vem apresentado recuperação na geração de postos de trabalho desde julho. Entre o sétimo mês de 2020 e setembro, a indústria do Rio Grande do Sul teve 14.738 contratações a mais do que demissões, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Apenas em setembro, o saldo positivo foi de 7.453. 

Entenda a desoneração

Criada em 2011 durante o primeiro mandato da ex-presidente Dilma Rousseff, a desoneração da folha de pagamento surgiu com o propósito de incentivar a manutenção de empregos. Há dois anos, durante o governo de Michel Temer, o Congresso decidiu que aquela seria a última prorrogação e que a desoneração acabaria em dezembro de 2020.

Em maio deste ano, a prorrogação foi incluída no texto da legislação pelo Congresso Nacional durante apreciação da Medida Provisória (MP) 936/2020, que criou o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda. A MP deu origem à Lei 14.020, de 2020, que permite a redução da jornada de trabalho e do salário durante a pandemia de coronavírus.

Foto: EBC

Leia mais

Leia também