RONDÔNIA: Equipes de Atenção Básica realizaram 2,4 mil consultas de pré-natal com seis ou mais atendimentos por gestante em 2021

Compartilhe

Para prevenir e detectar precocemente doenças em gestantes e bebês, o Ministério da Saúde recomenda que as mulheres façam  ao menos seis consultas de pré-natal durante a gravidez. . 
No estado de Rondônia, as equipes de Atenção Básica realizaram 2,4 mil atendimentos médicos que englobam essa quantidade mínima, entre janeiro e dezembro de 2021. 

Em todo Brasil, foram feitas 407.9 mil consultas de pré-natal no recorte de seis ou mais por gestante, no mesmo período. Os dados são do Sistema de Informação em Saúde para a Atenção Básica (Sisab). 

Ainda que a assistência esteja disponível pelo SUS em todas as regiões do país, o quadro de mortalidade materna e infantil é uma preocupação das autoridades de saúde. Isso porque, segundo o Ministério da Saúde, grande parte dos óbitos ocorrem durante a gravidez ou por complicações durante o parto, sendo que 90% das causas, como hipertensão, hemorragia e síndromes infecciosas, são consideradas evitáveis com atenção à saúde precoce e de qualidade.

“O Ministério da Saúde acredita que a mortalidade materna é uma tragédia social sem precedentes. A perda de uma mãe significa a desestruturação total do núcleo familiar. Há uma frase que a gente veicula [em campanhas educativas] que diz o seguinte: ‘A cada mulher que morre, há uma família que sofre, uma comunidade que fica mais fraca e um país que fica mais pobre”, afirma a ginecologista, obstetra e diretora do Departamento de Ações Programáticas Estratégicas (DAPES), Lana de Lourdes Aguiar.

Com o propósito de reverter essa situação, o Ministério da Saúde vai investir, em 2022, mais R$ 624 milhões ao financiamento atual de R$ 977 milhões para reestruturar a rede de saúde materna-infantil brasileira. Na avaliação das autoridades de saúde, aprimorar a assistência oferecida da Atenção Primária à Atenção Hospitalar, desde o fortalecimento das maternidades até a criação dos ambulatórios de assistência a gestantes com alto risco para complicações, assegura à mulher o direito ao planejamento familiar, ao parto e ao puerpério e, às crianças, o direito ao nascimento seguro e ao crescimento e desenvolvimento saudáveis. 

Garantir atendimento humanizado e mais próximo possível do cidadão, lembra Lana, é responsabilidade compartilhada pelo governo federal com estados e municípios. “O enfrentamento da mortalidade materna é uma causa dos gestores nas três esferas de governo, bem como de toda a sociedade. Aos estados e municípios cabe a organização da rede de atenção materna e infantil, de modo a atender as necessidades das gestantes e puérperas, ofertar acesso ao pré-natal de qualidade, à atenção ambulatorial e à atenção hospitalar”, ressalta a diretora do Departamento de Ações Programáticas Estratégicas.

Benefícios do pré-natal

O pré-natal segue um protocolo para monitoramento da saúde da gestante e do bebê. Inclui anamnese (histórico de sintomas narrados pelo paciente sobre determinado caso clínico), exame físico e análise de exames laboratoriais e de imagem. Como o acolhimento é um dos eixos e diretrizes da Política Nacional de Humanização e de Atenção Obstétrica e Neonatal do Ministério da Saúde, os profissionais de saúde preparam as mulheres para a maternidade por meio de orientações sobre hábitos de vida e higiene pré-natal, conversam sobre a importância de manter o estado nutricional apropriado e sobre o uso de medicações que possam afetar o feto ou o parto. As consultas também tratam das manifestações físicas próprias da gravidez, servem de apoio psicológico para as futuras mamães e são um momento importante para a gestante tirar dúvidas e dividir preocupações e experiências.

“Não só financiamos as ações, como também estabelecemos diretrizes e orientações técnicas para o desenvolvimento de todas elas. Um dos nossos indicadores de desempenho é o pré-natal das gestantes. Há instrumentos e material de orientação para que as equipes se organizem e possam oferecer um bom cuidado, desde o necessário do ponto de vista de equipamento até a conduta clínica, ou seja, como tratar as patologias, doenças, como prevenir e reabilitar para esses dois grupos: mulheres e crianças”, detalha a diretora do Departamento de Saúde da Família (DESF), Renata Maria de Oliveira Costa.

“Queremos evitar que crianças fiquem órfãs, quando perdem a mãe na hora do parto, e que mães não percam seus filhos por conta de uma morte infantil que seria evitável se tivesse o cuidado adequado”, completa.

Na esteira de proporcionar e expandir o atendimento humanizado e integral, o programa “Mamãe Cheguei”, da Secretaria de Saúde de Rondônia, tem como objetivo amparar a gestante para a chegada do bebê com kits contendo banheira, travesseiro, fraldas e macacões. Desde a implantação da ação, em 2020, mais de 5 mil mulheres foram atendidas em todo o estado. 

Foto: Marcello Casal/Agência BrasilFoto: Marcello Casal/Agência Brasil

Leia também

Jaguaré goleia São Mateus na estreia da Série B

  Com público pagante de 1.066 torcedores (1.166 presentes), e uma arrecadação de R$ 10.660,00, o Jaguaré Esporte Clube...

Espírito Santo reforça monitoramento e declara ‘Estado de Atenção’ sobre situação hídrica

  Nesta segunda-feira (15), o Governo do Estado, por meio da Agência Estadual de Recursos Hídricos (Agerh), publicou a...

Foragidos da Bahia são presos pela PM em São Gabriel da Palha

  Dois jovens com mandados de prisão em aberto, foram detidos pela PM na manhã da última sexta-feira (12),...

Poranga goleia América no aspira e nos titulares na 2ª rodada da Copa Rural de Barra de São Francisco

A bola rolou neste domingo (14), pela segunda rodada da Copa Rural de futebol amador em Vila Poranga....

Sul do ES: suspeitos roubam lanchonete, batem de moto e um deles é morto por PM

  Assalto terminou em acidente e com suspeito morto no Sul do ES Um assalto à uma lanchonete terminou em...

Como medir a pressão arterial em casa?

Queria ter um aparelho de pressão em casa e não sabe qual escolher nem como fazer? Hoje a...

Um mês após mulher trans ser morta por PM, moradores e comunidade LGBTQIA+ fazem protesto no Espírito Santo

  Mulher trans conhecida como 'Lara Croft' foi morta a tiros em Cariacica Nesta sexta-feira (12) completou-se um mês desde...

Homens representam 95% dos casos de varíola dos macacos no Brasil, diz Ministério da Saúde

O Ministério da Saúde atualizou nesta segunda-feira (15) a situação epidemiológica da varíola dos macacos no Brasil. Ao...