Rombo da Previdência de Minas Gerais aumenta 8%, de acordo com Secretaria de Fazenda do estado

Entre janeiro e maio deste ano, o déficit previdenciário de servidores de Minas Gerais somou R$ 6,580 bilhões. Segundo a Secretaria de Fazenda do estado, o quantitativo representa alta de cerca de 8%, comparado ao mesmo período de 2019, quando o rombo previdenciário foi de R$ 6,080 bilhões.

De acordo com o governo de Minas, o déficit previdenciário vem apresentando aumento exponencial,  passando de R$ 6,11 bilhões em 2011 para R$ 18,6 bilhões, em 2019. Até o final deste ano, estima-se um rombo de R$ 19,1 bilhões. A Secretaria de Fazenda defende uma Reforma da Previdência estadual para conter o prejuízo. De acordo com o titular da pasta, Gustavo Barbosa, o governo de Minas Gerais prepara um projeto de reforma nos moldes da adotada pela União. 

TCU faz análise do impacto da pandemia sobre os direitos previdenciários

O Poder Executivo mineiro alega que o crescimento nos gastos com previdência tem impacto direto  na Receita Corrente Líquida (RCL), que é o recurso que efetivamente fica nos cofres do estado. Nos cinco primeiros meses do ano, os gastos com previdência em Minas Gerais teve impacto de 23,7% na receita do estado.
 

Foto: Gil Leonardi/Imprensa MG

Leia mais

Leia também