Rios começam a perder volume e abastecimento de água pode ser prejudicado

A partir desse fenômeno, os rios que cortam o estado começam a registrar queda nos volumes, o que pode afetar atividades como a agropecuária, a produção de energia e até mesmo o abastecimento residencial e de empresas do estado.

Segundo o Incaper, entre as cidades que se encontram com o risco médio estão Linhares, São Mateus, Conceição da Barra, Montanha e Aracruz. Além disso, outros 51 municípios já se encaixam na “seca fraca”, dentre eles, todos os da Região Metropolitana.

Apesar disso, a transição entre as estações é um momento sazonal de ausência de chuvas. Nesse sentido, a tendência é que por volta de outubro, as chuvas retornem ao estado e que a situação volte a normalidade. Vale ressaltar que, segundo a Agência Estatual de Recursos Hídricos (Agerh), a vazão dos risos do ES estão, aproximadamente, 50% abaixo da média histórica.

Seca avança pelo estado e deixa o agro em alerta

De acordo com o Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper), 27 municípios do estado já apresentam risco moderado para a seca que vem se prolongando no estado graças à estiagem. Nesse sentido, aliada às frentes frias dos últimos meses, o agro capixaba deve seguir com cautela ao longo dos próximos meses.

No Brasil, o Espírito Santo se encontra melhor que outros estados

Hoje, o Brasil passa por uma das piores secas dos últimos 91 anos. Esses movimentos vêm prejudicando a irrigação e as atividades do agronegócio e a geração de energia, ocasionando um forte aumento nas contas de luz e nos preços dos alimentos, prejudicando o bolso dos brasileiros.

Com os níveis de reservatórios em São Paulo, por exemplo, abaixo da média histórica, o Espírito Santo, apesar da situação atual, ainda se encontra em uma posição privilegiada em relação aos demais estados do país.