Relatos sobre a violência da direita golpista contra operários em Cuba


Granma“Enquanto nossas armas eram bandeiras cubanas e cartazes com slogans patrióticos, eles nos receberam com pedradas”, lembra Yunior Cardoso Fernández, referindo-se ao vandalismo ocorrido no último domingo na cidade de Camagüey, com o nefasto propósito de subverter a ordem.

Com força de vontade, uma barreira intransponível de trabalhadores, localizada nas entradas da ponte de Triana, impedia o avanço dos grupos de apátridas, contra-revolucionários e criminosos, que procuravam fazer o seu caminho, a qualquer custo, para chegar à sede de o Governo Provincial.

“O que se poderia esperar destes vândalos – declara indignado Yunior Cardoso – se a Revolução caísse! Nós nunca permitiremos isso. Quem se sente um verdadeiro patriota e ama a sua terra não pode ficar impassível perante ações como estas, que procuram entregar o país ao imperialismo”.

Manuel Arias Carmenates foi um dos trabalhadores que recebeu o impacto de várias pedras: “assim que ouvi o apelo do nosso Presidente, dirigi-me imediatamente ao local onde se encontrava o centro das perturbações, determinado a enfrentar aqueles elementos no serviço do governo dos EUA”.

“Apesar da situação tensa criada”, diz ele, “ninguém se moveu de seu posto. Vários camaradas receberam pedras na cabeça, o que mostra a baixa laia daqueles que compunham aquelas turbas, que desde o primeiro momento assumiram uma atitude de enfrentamento aberto com as forças da ordem pública”.

“Percebemos de imediato que também éramos seus inimigos para este tipo de pessoas, ainda que se confrontassem com operários, camponeses, mulheres, jovens, mesmo idosos, que vinham à cena para fazer valer o seu direito à defesa da Pátria e da Revolução”.

Contrariamente à matriz de opinião que a imprensa internacional e as redes sociais pretendem impor à Internet, Luis Villavicencio Rabí esclarece: “não tinha nada para uma manifestação pacífica, porque muitos de nós pudemos apreciar a forma violenta como agiram atirando pedras contra todos que encontraram em seu caminho”.

“Essa atitude covarde e odiosa – acrescenta – nada tem a ver com as pessoas humildes e trabalhadoras que, em meio a carências materiais de todos os tipos, resistem e enfrentam as vicissitudes atuais sem serem confundidas ou manipuladas por aqueles que apenas procuram destruir a unidade de tantos anos da Revolução”.

Com isso, concorda a professora Mercedes Escuredo Olazábal, que garante que os recentes distúrbios gerados por artimanhas bem montadas dos Estados Unidos têm a ver com a intenção perversa de causar caos, desestabilização e um estado de ingovernabilidade no país.

“Nessa provocação, o que prevaleceu foi a indecência, o uso da violência e o propósito de criar imagens de que aqui há abuso de poder. Para concretizar seus planos, alguns dos líderes foram pagos por seus senhores, o que os ratifica como mercenários a serviço de uma potência estrangeira”.

“Porém”, diz ela, “o que ficou demonstrado pela firmeza revolucionária do povo de Camagüey, que somos a maioria, é que, seja quem for, não será possível, porque aqui a direção, a ordem foi mantida em todos os momentos, estabilidade, tranquilidade e paz cidadã”.

Com o povo não há ruptura, há continuidade

Aurora Evia Pérez, aos 82 anos, defende “sua Revolução” com o mesmo espírito com que, em 1959, saiu para receber os barbudos que chegaram a Havana em uma caravana no dia 8 de janeiro.

Ela garante que o processo revolucionário, que tantas conquistas proporcionou ao povo na educação e na saúde, continuará, apesar da política hostil promovida pelo governo dos Estados Unidos contra a Ilha, agravada nos últimos anos, com a administração de Donald Trump e realizada por Biden.

Ela não entende, exceto por ingratidão, maldade e ignorância, como um grupo de pessoas patrocinadas pelo império são capazes de atos desestabilizadores com manifestações de desordem e vandalismo no país que tanto lhes deu.

Como se carregasse na mão o coração da avó, toda ternura, procurava uma forma única de dizer o quanto agradece ao Sistema de Saúde por manter a campanha de intervenção sanitária em todo o país, o papel dos médicos neste processo e o profissionalismo com quem tem trabalhado não para descuidar das pessoas longevas, mas para cuidar delas com especial atenção ao vírus mortal que as torna ainda mais vulneráveis.

Carregada daquela vitalidade que mobiliza os jovens, Caridad López, 26, comentou que os princípios e a continuidade da Revolução estão bem protegidos na maioria dos jovens como ela e que, se alguém duvidou, deve contar aos que vieram de fora hesitação, no domingo passado, em confirmar que as ruas pertencem aos revolucionários.

Um apelo à não violência e não ingerência nos assuntos do povo era também a reivindicação desta jovem licenciada do Instituto Superior de Artes.

“Nós, cubanos, estamos indignados com a situação que ocorreu em algumas partes da ilha, porque devemos, antes de tudo, agradecer à Revolução e estar convencidos de que tudo o que o Governo faz é a favor do povo”, disse Joanna Rodríguez.

“Os Estados Unidos não têm o direito de se intrometer nos assuntos do país. O povo cubano quer trabalhar em paz. Que retirem o bloqueio para que vejam como Cuba sai da situação econômica em que se encontra”.

Defenda a verdade com capa e espada

“Por nossa nação, por nossa família, por todos os nossos colegas, por todos aqueles que infelizmente estão com a pandemia, pelos médicos que estão lutando, por um povo inteiro, porque o que eu quero é uma melhoria para o meu país”.

Carlos Arnedo Pérez diz que foram essas as razões pelas quais saiu no domingo em defesa da Revolução diante da provocação que ocorreu no caminho em frente ao Hotel Saratoga e ao Capitólio Nacional.

“Temos que enfrentar todos aqueles que querem nos dividir, nos prejudicar e limpar a mente dos que estão confusos, porque uma intervenção militar neste país não seria para fazer o bem, mas para nos destruir.”

Aos 40 anos, Carlos Arnedo Pérez é mágico de profissão e estuda Psicologia no curso para trabalhadores da Universidade de Havana, e é um daqueles que estão convencidos de que a rua, embora seja de todos, deve ser defendida, pela paz e segurança dos cidadãos, pelos revolucionários, “e defendê-la verdadeiramente”.

“Todos nós queremos ser melhores, viver melhor, mas precisamos ter as opções que bloqueiam o país. Enquanto isso, não podemos permitir que gerem ervas daninhas entre os cubanos para enfraquecer nossa unidade como povo”.

“O nosso Presidente, com a transparência que o caracteriza, deixou muito clara a mensagem de que estamos sujeitos ao diálogo, mas sempre de forma pacífica. Pode haver quem esteja confuso, mas nós, que não estamos [confusos], vamos lutar contra tudo o que se opõe a Cuba, para que o país continue sendo liderado por cubanos”.

*Tradução por Juca Simonard


Leia mais

Leia também