Relator do novo marco das ferrovias afirma que projeto é passo rumo ao desenvolvimento econômico do país

Compartilhe

Para o relator da proposta do novo marco legal das ferrovias, deputado Zé Vitor (PL-MG), a medida contribui para o desenvolvimento econômico do País, principalmente por gerar emprego e renda no setor em locais que ainda não contam com a presença do modal. A Câmara dos Deputados aprovou nessa segunda-feira (13) o texto-base do projeto que cria a Lei das Ferrovias. 

“Para muitos é o renascimento das ferrovias, para outros é o fortalecimento, mas para muitos estados brasileiros é o surgimento das ferrovias. Nós temos, apenas na modalidade de autorização, prevista neste Marco Legal das Ferrovias, já oficialmente protocolados no Ministério da Infraestrutura, 47 pedidos, que significam mais de 12 mil quilômetros de ferrovia, mais de R$ 150 milhões em investimento, a presença de ferrovias em 15 estados brasileiros”, destaca o relator. 

O projeto de lei 3754/21 que, entre outros pontos, permite que a União autorize a exploração de serviços de transporte ferroviário pelo setor privado em vez de usar a concessão ou permissão. O prazo do contrato poderá ser de 25 até 99 anos, prorrogáveis.

Ao contrário das concessões, para as quais existem limites tarifários, as companhias que contarem com autorização terão liberdade de preço. Para novas ferrovias ou novos pátios ferroviários, os interessados poderão pedir autorização diretamente ao agente regulador. Medidas como essa, segundo o deputado federal Paulo Ganime (NOVO-RJ), ajudam o Brasil a ter mais opções, além das rodovias. 

“O marco traz várias mudanças no modelo em que as empresas podem investir e operar as ferrovias, garantindo a possibilidade de mais investimentos, com maior expansão da malha ferroviária. Com a autorização, é a empresa quem toma a iniciativa. Ela passa sim por um processo de controle, mas isso torna o processo mais fácil, fazendo com que haja mais investimento no setor”, explica. 

De acordo com o projeto aprovado, o regulador do setor deverá analisar se a ferrovia atende à política nacional de transporte ferroviário. Para isso será feita uma avaliação da compatibilidade com as demais infraestruturas implantadas. Pelo texto, nenhuma autorização poderá ser negada, a não ser que o interessado não siga as regras do projeto; em caso de incompatibilidade com a política para o setor ou ainda por motivo técnico-operacional relevante justificado. 

Hidrogênio pode substituir diesel nos trens

Exportações brasileiras crescem 60,4% e somam US$ 4,04 bilhões

O projeto que cria a Lei das Ferrovias teve sua tramitação concluída no Congresso Nacional nesta terça-feira (14) e segue para sanção do presidente da República, Jair Bolsonaro. 
 

Ferrovias. Foto: Divulgação/PPI.Gov.BrFerrovias. Foto: Divulgação/PPI.Gov.Br

Leia também

Governo Federal sanciona lei que incorpora bula digital de medicamentos

O Governo Federal sancionou nesta quinta-feira (12/05) a lei que implementa a bula digital de medicamentos. O objetivo...

Semana Nacional dos Museus começa nesta segunda

O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) disponibilizou a programação da 20ª Semana Nacional dos Museus. O evento ocorre...

Brasileiro Feminino: Corinthians bate Cresspom em jogo 100 de Tamires

O Corinthians assumiu, provisoriamente, a vice-liderança da Série A1 (primeira divisão) do Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino. Neste domingo (15),...

Empresário cria treinamento para operadores de som de igrejas em Barra de São Francisco

O empresário francisquense Agnaldo Lopes, da Eletrônica Autocar, promoveu um curso voltado para operadores e ténicos de som....

Brasil busca a eliminação da malária até 2035

O Ministério da Saúde pretende eliminar a malária do país até 2035. A pasta lançou o Plano Nacional...

Veja quanto deve ser o salário mínimo em 2023, 2024 e 2025

Anunciado em abril deste ano sem aumento real, o salário mínimo para 2023 será de R$ 1.294. O reajuste...

Busca Ativa Escolar de Nova Venécia participa de encontro de alinhamento promovido pela Sedu

  A Busca Ativa Escolar, estratégia utilizada para apoiar os governos na identificação, registro, controle e acompanhamento de crianças...