Quase cego, capixaba encontra na profissão de DJ sentido para seguir em frente

» Daniel leva o som para quem gosta de curtir uma boa balada

Daniel Lanes de Souza, 23 anos, descobriu na nova profissão, um novo sentido na vida. Portador de toxoplasmose congênita, o morador de Nova Venécia enxerga muito pouco, mas nada que o atrapalhasse a seguir em uma carreira que vem revolucionando sua vida: o rapaz agora é DJ, e há cerca de dois anos, Daniel virou o D.L Souza.

“Eu perdi 95% da visão esquerda e 85% da direita. Vendo só vultos, com muita dificuldade, eu produzo música sem enxergar quase nada. Toco, me apresento, e o público nem imagina a minha vida por trás de tudo isso”, explicou ele à Cintia Zaché, da Rede Notícia.

D.L Souza se apresenta nos locais de entretenimento da região, e foi uma das maneiras que conseguiu reverter um período de depressão que enfrentou, devido achar que não se encaixava em determinadas atividades, por conta da pouca visão.

“Meu maior medo eu já não tenho mais, que era ter um filho, e não ter a visão para o ver e o enxergar crescendo. Sou pai de um menino lindo. Apesar de todas as dificuldades e sofrimento da minha vida, ganhei esse presente, simplesmente maravilhoso, que foi o meu filho. Hoje eu posso perder a visão ou qualquer coisa, mas com muita fé em Deus, vou continuar e superar o que vier”, desabafa.

» Um dos maiores medos do Daniel, era de não poder enxergar seu filho, o João Pedro

Toxoplasmose

Daniel é filho da Solange Cristina Moreira Lanes e do pedreiro Josimar Ferreira de Souza, pai do João Pedro, de 15 meses e morador do bairro Rúbia.

De acordo com ele, quando sua mãe engravidou dele, a toxoplasmose foi transmitida ainda quando ele estava no útero da mãe.

Uma doença irreversível, Daniel conta que na escola, sempre se sentiu diferente, até que aos oito anos de idade, foi descoberto que ele era portador da doença. “Em minha infância eu tinha muita dificuldade na escola, com amigos e para me adaptar. Já nasci com uma deficiência na visão e quando foi descoberto o que era, já era tarde demais”, fala.

O DJ conta que passou por acompanhamentos e tratamentos durante toda sua vida, e que mesmo com todas as dificuldades, tendo uma cegueira quase total, antes de atuar como DJ, já foi ajudante de pedreiro dos 15 aos 18 anos, cabeleireiro, e relata que sua condição, nunca o atrapalhou a seguir caminhos. “Eu faço coisas que os médicos e minha família ficam impressionados, jogo bola, dirijo e entre outras atividades. Desde pequeno corri aos braços de Jesus Cristo e sei que Ele é maior que qualquer dificuldade que eu tenha”, explica.

Para quem estiver precisando dos serviços do D.L Souza, entrar em contato pelo telefone: 99880-4241, pois ele vem sendo uma das sensações do momento na cidade!

» Daniel é filho da Solange Cristina Moreira Lanes e do pedreiro Josimar Ferreira de Souza