Quarentena com novas medidas restritivas é iniciada no Espírito Santo; veja as medidas

A quarentena para combate à Covid-19 com novas medidas restritivas foi iniciada nesta quinta-feira (18) no Espírito Santo. As medidas vão durar por 14 dias em todas as cidades do estado.

De acordo com o governo estadual, a adoção dessas medidas foi necessária para evitar mais mortes pela Covid-19 no estado. A nova quarentena tem o objetivo de reduzir as atividades econômicas, sociais, de serviço e comércio não essenciais para que a transmissão do vírus seja controlada.

  • Está proibida a realização de reuniões familiares, incluindo qualquer tipo de evento social
  • Estão proibidas atividades educacionais, de qualquer nível, no formato presencial;
  • Está proibido o uso de parques, praças, jardins, campos de futebol, quadras, ginásios e outros espaços equivalentes
  • Realização de atividades físicas coletivas nas áreas e vias públicas está proibida
  • Igrejas e templos religiosos devem, preferencialmente, transmitir cultos e missas pela internet
  • Áreas comuns de prédios e condomínios devem limitar a utilização de áreas comuns
  • Está suspenso o funcionamento presencial de todos os serviços e atividades que não são considerados essenciais, podendo funcionar apenas com o serviço de entrega de produtos em domicílio
  • Modalidades de pague e pegue (drive-thru ou take away) estão proibidas
  • Funcionamento de lojas de conveniência de postos de combustíveis está suspenso
  • Restaurantes só poderão funcionar por meio do sistema de entregas
  • Shoppings e salões de beleza ficarão fechados
  • Passes escolares estão suspensos nos 14 dias de restrição
  • Serviços médicos e hospitalares
  • Serviços públicos essenciais
  • Atividades industriais
  • Assistência social e atendimento à população em situação de vulnerabilidade
  • Segurança pública e privada, incluindo a vigilância, a guarda e a custódia de presos
  • Comércio de produtos de saúde, higiene e alimentos, incluindo atividade agropecuária, farmácias, comércio atacadista, hipermercados, supermercados, minimercados, hortifrútis e padarias
  • Empresas de infraestrutura, instalações, máquinas e outros equipamentos como elevadores, escadas rolantes e equipamentos de refrigeração e climatização
  • Empresas de insumos para serviços essenciais, como lojas de produtos agrícolas e material de construção civil
  • Comércios de serviços de cuidados animais
  • Empresas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica
  • Transporte público coletivo, táxis e transporte por aplicativo
  • Casa de peças e oficinas automotivas
  • Telecomunicações, internet, serviços de tecnologia da informação e de processamento de dados para suporte de outras atividades essenciais
  • Serviços funerários
  • Agências bancárias, casas lotéricas e serviços postais
  • Atividades da construção civil
  • Atividades de petróleo, combustíveis, biocombustíveis, gás liquefeito de petróleo e demais derivados de petróleo, incluindo postos de combustíveis, produção, transporte e distribuição de gás natural
  • Serviços de distribuição de água, incluindo distribuidoras de água a granel ou envasada
  • Atividades de jornalismo e serviços de radiodifusão sonora e de sons e imagens
  • Serviços de limpeza urbana e coleta de lixo
  • Hotéis e pousadas, limitada a 50% de sua capacidade
  • Atividades de igrejas e templos religiosos, com cultos e missas, preferencialmente, virtuais, respeitado o atendimento individual
  • Atividade de pesca no mar
  • Locação de veículos

Aos domingos e feriados, serviços e atividades essenciais – exceto farmácias, postos de combustíveis e serviços de assistência à saúde e social – não podem fazer atendimento presencial.

A ocupação de leitos de UTI para tratamento de Covid-19 chegou a 91,05% nesta semana. Até o final de abril, o governo afirma que terá 900 leitos de UTI para o tratamento de pacientes de Covid-19.

O governador Renato Casagrande (PSB) disse que quem descumprir as medidas do decreto está sujeito a punições, que podem chegar ao âmbito judicial.

“Tem punição para quem descumprir o decreto, tem punição. Num primeiro momento o Procon, a Vigilância Sanitária, o trabalho policial. Num segundo momento, o Ministério Público, o poder judiciário. A legislação nos ampara. Nós, naturalmente, não queremos isso. O que estamos pedindo hoje é colaboração. É difícil ter que punir alguém que queira não colaborar em uma hora como essa que estamos vivendo”, disse.

Comércio fechado no Espírito Santo em junho de 2020

Comércio fechado no Espírito Santo em junho de 2020

Leia mais

Leia também