Quadro do francisquense Pierre Britt é arrematado por 28 mil dólares nos Estados Unidos

 

Um quadro finalizado ao vivo na última quarta-feira (7) em Orlando, na Flórida, nos Estados Unidos, foi arrematado por nada menos que 28 mil dólares em noite de jantar beneficente de luxo da London House (associação que perpetua costumes e cultura britânicos em sedes espalhadas pelo mundo todo). O autor, o artista capixaba Pierre Britt, repassará parte do valor arrecadado a uma instituição de caridade infantil. A informação ganhou destaque na coluna de Pedro Permuy, do Jornal A Gazeta.

Pierre Britt é de Barra de São Francisco e faz sucesso como artista nos Estados Unidos. O filho da terra querida foi destaque no mês passado aqui no SiteBarra, que contou com pouco da sua trajetória. Relembre aqui

A obra leiloada por Pierre Brita retrata a rainha Elizabeth II mais jovem com um toque de influência de impressionismo e surrealismo – as escolas artísticas com as quais o pintor simpatiza. “No caso dela (a Rainha), a escolhi por ser um ícone da cultura inglesa e pela instituição, a London House, ser originária de Londres, na Inglaterra. E só agreguei rosas à figura da monarca para completar o visual do quadro. O que quero é provocar paz, fé, amor nas pessoas”, confidencia.

“Eu fui, também, o primeiro brasileiro a expor em todas as sedes da London House do mundo (a entidade possui filiais em vários países) e o jantar foi voltado para as minhas pinturas, como uma exposição. Coloquei quadros em todos os ambientes do edifício e apoiei essa causa social “, comentou o artista Pierre Britt

Apesar de não ter sido divulgado de forma oficial, a coluna de Pedro Permuy descobriu que quem adquiriu o quadro foi um lorde que estava no jantar. O distinto senhor trabalha, inclusive, na posição de executivo no banco particular que atende a conta da própria rainha Elizabeth II.

Com sua arte, o francisquense de 39 anos de idade reitera que tem buscado formas de retratar sentimentos bons, que é o que ele também pretende provocar naqueles que apreciam suas obras: “Canalizo as cores para simbolizarem amor, cura… Fazer a junção disso para despertar esses sentimentos dentro das pessoas. Cura emocional, alegria, espontaneidade… Esse é o motivo de eu mesclar cores tão fortes, por exemplo. Elas servem para acordar, despertar… A fé, o amor. E quero unir esses sentimentos, essa experiência”.

Após o show ao vivo do evento, que seguiu protocolos contra a Covid-19, Pierre precisará se dedicar ainda mais ao atendimento de seu público A+, que, segundo ele, é o que mais busca seu trabalho. “Agora o presidente da Disney encomendou um quadro e fez contato porque ficou impressionado com as minhas telas. Tenho alguns colecionadores que também estão na fila de compra e meu foco é nesse pessoal, que vai apreciar, valorizar. Agradeço e sou grato por ter minha arte tão bem aceita aqui nos Estados Unidos”, pondera.

DE BARRA DE SÃO FRANCISCO PARA O MUNDO

Pierre, que é natural de Barra de São Francisco, no Espírito Santo, e saiu de lá aos 18 anos de idade, está morando nos Estados Unidos há 2 anos. Lá, se casou com um brasileiro e juntos trabalham empreendendo nas artes.

Atualmente, o artista capixaba, inclusive, concorre como personalidade do ano no prêmio Notable Brazilian Awards 2020 na categoria Belas Artes. A condecoração é organizada para a comunidade brasileira nos Estados Unidos e reconhece grandes nomes de vários segmentos, desde áreas exatas até repartições da moda.

“Tudo é feito por votação, então por enquanto estou em primeiro lugar na minha categoria, o que indica que eu posso ganhar. Aproveito sempre para pedir para os brasileiros e para os capixabas votarem em mim porque seria uma conquista para todos nós, do Espírito Santo”, apela, indicando que a votação é feita pela internet. A entrega do prêmio acontecerá até o fim do ano em cerimônia, em Nova York.


O artista capixaba Pierre Britt . Crédito: Arquivo pessoal

O artista capixaba Pierre Britt pintou quadro ao vivo e leiloou obra por 28 mil dólares em jantar de luxo beneficente da London House da Flórida, nos Estados Unidos. Crédito: Arquivo pessoal


Leia mais

Leia também