Provas apontam lavagem de dinheiro da Universal em Angola, dizem investigadores


As provas reunidas contra quatro integrantes da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) em Angola, denunciados sob acusação de crimes como lavagem de dinheiro, evasão de divisas e associação criminosa no país, são fartas e contundentes, afirmam a Procuradoria-Geral da República (PGR) de Angola e o Serviço de Investigação Criminal (SIC, a polícia federal angolana) em entrevista à BBC News Brasil. A reportagem é do jornal Folha de S.Paulo. 

Segundo a reportagem, os quatro investigados no caso são: Honorilton Gonçalves da Costa, ex-representante máximo da Igreja Universal do Reino de Deus em Angola, Fernando Henriques Teixeira, ex-diretor da TV Record África, o bispo António Pedro Correia da Silva (então representante legal da Record e presidente do conselho da IURD em Angola) e o pastor Valdir de Sousa dos Santos.

O processo corre atualmente sob sigilo, mas deve vir a público em breve durante a tramitação judicial que começou em maio, após um ano e meio de investigações por parte da PGR e do SIC.

Edir Macedo

Edir Macedo (Foto: Divulgação/Igreja Universal)