Projetos da Sejus estão entre os finalistas do Prêmio Inoves 2020

Projetos desenvolvidos nas unidades prisionais administradas pela Secretaria da Justiça (Sejus) estão entre os 38 finalistas do Prêmio Inoves. A iniciativa, que está em sua 14ª edição, é um programa do Governo do Estado que estimula o desenvolvimento de uma cultura de inovação e empreendedorismo no serviço público capixaba.

A Sejus concorre na Categoria Ideia com o projeto “Recompilando o Futuro: A Tecnologia como Ferramenta de Educação Prisional”, bem como nas categorias “Projetos de Resultados” e “Voto Popular” com o “Maternar Lactantes Presas”, do Centro Prisional Feminino de Cariacica (CPFC).

Ao todo, sete equipes do Executivo Estadual e três do Municipal serão premiadas com recurso de R$ 30 mil reais cada, disponibilizado por meio de parceria com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Espírito Santo (Fapes). Esse valor será investido no processo de aceleração das iniciativas vencedoras. Além disso, elas receberão certificado e selo do programa, também concedidos às equipes vencedoras de outros Poderes.

O Inoves é voltado a equipes de servidores do Executivo Estadual, Municipais e de outros Poderes, que podem concorrer separadamente em três categorias: Ideia, Projeto em Desenvolvimento e Projeto de Resultados.

A votação da categoria “Voto Popular” será realizada a partir desta terça-feira (02) e segue até o dia 18 de dezembro. Para votar, basta acessar o site https://inoves.es.gov.br/ Os finalistas de cada categoria e os destaques especiais serão conhecidos no dia 22 de dezembro.

Conheça os projetos da Sejus que concorrem ao Inoves:

Recompilando o Futuro: A Tecnologia como Ferramenta de Educação Prisional” –   O projeto finalista na Categoria Ideia é fruto de uma pesquisa do curso de Mestrado em Educação Profissional e Tecnológica do aluno Fábio Ventorim Siqueira, servidor do Ipem, que buscou trabalhar as habilidades do pensamento computacional e ensinar conceitos básicos de programação de computadores para pessoas que vivem em privação de liberdade.

Com uma parceria firmada entre a Sejus e o Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes), por meio do Centro de Referência em Formação e em Ensino a Distância (Cefor), em dezembro de 2019, foi possível aplicar o curso a um grupo formado por 10 alunos que vivem em privação de liberdade, na Penitenciária Semiaberta de Vila Velha (PSVV). Os resultados dessa experiência surpreenderam os pesquisadores e os profissionais da segurança pública, ao mostrar como o tempo ocioso em cela deu lugar ao pensamento computacional e criativo dos alunos, inclusive, daqueles que nunca haviam usado um computador antes.

O projeto Recompilando o Futuro: a Tecnologia como Ferramenta de Educação Prisional traz como proposta a continuidade dessa capacitação não só nas unidades prisionais, mas de expandir a iniciativa para o Cefor, a fim de capacitar as pessoas do regime semiaberto que já possuam o benefício para estudar e/ou trabalhar fora das penitenciárias.

 

Maternar Presas Lactantes – O projeto que surgiu como um piloto, no Centro Prisional Feminino de Cariacica (CPFC), desenvolve ações voltadas ao cuidado com as gestantes, lactantes e bebês custodiadas na unidade prisional, que visam à proteção da primeira infância. No CPFC há uma instalação específica para lactantes e bebês, que conta com enxoval, berçário e quartos humanizados, brinquedoteca, banheiros e outros equipamentos que criam um ambiente salubre e lúdico, propício para o desenvolvimento das crianças.

Enquanto estão no berçário materno-infantil, as internas mamães recebem acompanhamento psicológico, social e de saúde, a fim de potencializar a troca afetiva entre a díade mãe-bebê. Além disso, outras ações são desenvolvidas para promover o desenvolvimento seguro materno infantil com base no marco legal da primeira infância.

 

Leia mais

Leia também