Projeto de alunos do Sesi da Paraíba que transforma fibra de planta em bioplástico vai concorrer em Mostra Internacional

Um projeto desenvolvido por alunos da escola Dionísio Marques de Almeida, do Sesi, na cidade de Patos (PB), vai concorrer na 35ª Mostra Internacional de Ciência e Tecnologia (Mostratec). A equipe formada por Rauanny Silva Alves, Andressa Onassis e Bruno Cézar, sob orientação do professor Rafael Sales Brito, desenvolveu um bioplástico a partir da palma forrageira — planta usada no Sertão Nordestino para alimentar os ruminantes.
 
O projeto de iniciação científica dos estudantes do 3º ano já ganhou repercussão local, porque foi o vencedor da Mostra de Iniciação Científica (MIC) e o escolhido para representar o estado a nível internacional. O objetivo da pesquisa é contribuir com o meio ambiente e ajudar os produtores do semiárido nordestino a obterem mais renda a partir da transformação da fibra da planta em um tipo de plástico. É o que explica Rauanny Silva, 16 anos, uma das integrantes do projeto.
 
“A ideia é produzir o bioplástico, que vai super rentável ao produtor, que vai passar a produzir, além da alimentação do seu gado, o plástico, ou seja, vai aumentar a sua rentabilidade. E é uma planta bastante sustentável, porque a degradação do plástico biodegradável leva meses ou poucos anos, é mínima em comparação com o plástico normal, que leva mais de 400 anos para se degradar”.
 
A estudante diz que a iniciação científica logo no ensino médio foi o que proporcionou o desenvolvimento do projeto, algo que não está ao alcance de boa parte dos estudantes brasileiros. Ela conta que está surpresa com o sucesso da pesquisa e confiante na disputa internacional. “O nosso projeto foi criado no interior da Paraíba. É uma coisa que a gente não esperava. A gente está muito feliz e eufórico confiantes com o nosso projeto, que já passou da fase de testes, o plástico foi produzido”, comemora. 

Orgulho

O professor de Física do Sesi e orientador do projeto, Rafael Sales Brito, se diz muito orgulhoso do trabalho que conseguiu desenvolver junto aos três alunos. Ele lembra que, até conseguirem produzir o plástico a partir da palma forrageira, houve estudo sobre o tema, desenvolvimento de plano de pesquisa, metodologia, entre outras etapas.  Segundo ele, a alegria dos alunos com a participação na Mostratec se explica pelo objetivo da própria pesquisa. “Eles têm o interesse não só da produção de um bioplástico a partir da palma, como também de incentivar os produtores locais a plantarem a planta e conseguirem um pouco mais de renda para as suas famílias”, afirma. 
 
A produção de bioplástico a partir da planta seria um avanço considerável para o meio ambiente. Isso porque o plástico comum é resistente e dura mais tempo antes de se decompor. Além disso, o plástico se fragmenta em pedaços bastante pequenos, o que compromete a vida dos animais, sobretudo aqueles que vivem nos oceanos. Dados divulgados pela ONU apontam que 80% de todo o lixo marinho é composto por plástico. A estimativa é de que até 2050 a quantidade do material supere a de peixes.
 
Rafael destaca que ele e os alunos estão “eufóricos” com os resultados do projeto. “É um evento de importância internacional e um projeto que foi desenvolvido aqui na cidade de Patos, no Sertão da Paraíba, aceito para representar o estado e a nossa cidade nesta feira virtual, promovendo a pesquisa e a iniciação científica. Ver o sucesso dos seus orientandos é algo ímpar, uma sensação incrível. Acompanhar todo esse processo e vê-los desenvolvendo-se e amadurecendo dentro da pesquisa é algo substancial”, celebra.

Mostratec

Realizada anualmente em Novo Hamburgo, Rio Grande do Sul, a Mostratec é uma feira de ciência e tecnologia internacional. O principal objetivo do evento é estimular estudantes na atividade de iniciação científica e tecnológica, de forma a acelerar o processo de expansão e renovação no quadro de pesquisadores. Este ano, a Mostratec vai ocorrer virtualmente, devido à pandemia da Covid-19, entre os dias 9 e 11 de dezembro. Esta edição vai contar com 229 trabalhos e a participação de estudantes de doze países.

Agência Minas

Leia mais

Leia também