Professora autuada por injúria racial é afastada de faculdade no Espírito Santo

Compartilhe

 

A professora de 61 anos autuada por injúria racial contra uma aluna foi afastada da faculdade particular em que dava aulas, em Vitória. A informação é de g1 ES

A estudante universitária da Faesa disse ter sido vítima de ofensas raciais por parte da professora na quarta-feira (22).

O afastamento da educadora foi confirmado pela faculdade.

“A instituição informa que a professora está afastada de suas atividades e um processo administrativo já está em andamento para que todas as providências sejam tomadas”, divulgou a instituição de ensino.

A aluna publicou vídeos em que relata o episódio nas redes sociais.

“Eu acabei de passar por um preconceito na sala de aula, pela professora Juliana Zuccolotto. Ela citou tatuagens e começou a falar da origem dela, que veio do presidiário, da prisão […] ela pegou e falou assim que era muito feio tatuagem e que mais feio ainda era quem tinha pele negra e que parecia pele encardida, quem tinha pele negra e quem tinha tatuagem”, disse a jovem no vídeo.

Carolina Bittencourt é estudante do curso de design de moda da Faesa. De acordo com os vídeos que publicou na internet, as ofensas teriam partido da professora Juliana Zucolotto. Após o episódio, a aluna deixou a sala de aula e chamou a Polícia Militar.

A PM informou que foi acionada para verificar uma possível ocorrência de racismo e que, no local, a aluna relatou aos militares que, durante uma aula, a professora teria solicitado que quem tivesse tatuagem levantasse a mão.

Ainda segundo a PM, a aluna disse que levantou a mão e, a partir de então, a professora teria citado as características físicas da estudante e dito que “tatuagem em pele negra parecia encardido” e que “jamais faria tatuagem nela, pois as marcas seriam coisas de escravos e ela não era escrava”.

Os policiais abordaram a professora, que teria dito que somente fez “um comentário acerca da história do uso de tatuagem” e que fora “mal interpretada” pela aluna.

De acordo com a PM, professora e aluna foram encaminhadas para a Delegacia Regional de Vitória.

Segundo a Polícia Civil, a professora foi autuada em flagrante por injúria racial. Como a penas não ultrapassa quatro anos de detenção, a autoridade policial arbitrou uma fiança.

A professora pagou a fiança e foi liberada para responder em liberdade. O valor da fiança não foi revelado.

A reportagem procurou a aluna. Na quarta, um homem que se identificou como marido da jovem disse que ela já constituiu um advogado, mas que só irá se pronunciar em momento oportuno.

O jornalismo da Rede Gazeta também entrou em contato com a professora. Ela atendeu uma das ligações e disse que se posicionaria em outro momento. Desde então, não respondeu mais às tentativas de contato.

Em nota, a Faesa disse que iniciou uma apuração dos fatos assim que tomou conhecimento do ocorrido e que abriu um processo administrativo para análise do caso e adoção das providências necessárias.

“O Centro Universitário destaca que repudia todo e qualquer ato ou manifestação discriminatória e preconceituosa. Qualquer manifestação contrária a esse posicionamento é ato individual, isolado, e não condiz com a política da instituição”, afirmou a instituição.

Questionado sobre a permanência da professora nas funções, o centro universitário declarou que a professora seguirá no cargo durante as apurações.

O crime de racismo atinge um grupo de pessoas – por exemplo, todas as pessoas de uma determinada raça.

Já a injúria racial é quando a honra de uma pessoa específica é ofendida por conta de raça, cor, etnia, religião ou origem.

Se o alvo do crime for todas as pessoas negras, por exemplo, ele se enquadra como racismo; já se a ofensa for direcionada a uma pessoa, e não à raça como um todo, é uma injúria racial.

Apesar das diferentes bases legais, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, por 8 votos a 1, que o crime de injúria racial pode ser equiparado ao de racismo e considerado imprescritível, ou seja, passível de punição a qualquer tempo.

Leia também

Plataforma Recoloca Rio Doce tem vagas de emprego em Linhares e Baixo Guandu

  Interessados em participar de processos seletivos e conquistar uma vaga de trabalho em Linhares, Baixo Guandu e região...

Igreja diz que pai de padre teve 52% de queimadura no corpo

Continua grave o estado de saúde de José de Souza Vieira, de 76 anos, que teve cerca de...

Bandidos armados invadem casa e roubam carro no interior de Boa Esperança

Uma picape Fiat Strada, de cor branca, foi roubada na manhã da última sexta-feira (12), na zona rural...

Waltinho Construtor e Stop Car abrem vantagem nas semifinais do Perna de Pau

A primeira rodada das semifinais do Campeonato Perna de Pau 2022, na noite desta quinta-feira, 12, no ginásio...

ES: motorista morre após bater de frente com carreta na BR-101

  Carro de motorista que morreu em acidente na BR-101, em Sooretama, Norte do ES Um homem de 50 anos...

Suspeito de homicídio em Água Doce do Norte é preso em Ecoporanga

A polícia militar de Ecoporanga, cumpriu na última terça-feira, 16 de agosto de 2022, um mandado de prisão...

Capixaba Série B 2022: em seu retorno, Jaguaré goleia o São Mateus na estreia do Grupo A

Em outubro de 2010, o Jaguaré perdeu para o Real Noroeste, por 4 a 2, em Águia Branca,...

Santa Rosa da Serra, em Minas Gerais, vai receber mais de R$ 750 mil para ações de defesa civil

A cidade de Santa Rosa da Serra, em Minas Gerais, vai receber R$ 754,5 mil para ações de...