Presidente do TSE, Barroso diz que voto impresso ‘seria retrocesso’

Ministro falou sobre o assunto durante fórum realizado nesta sexta-feira (6) em Vitória.

Por Amaro Mota, G1 ES

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, disse nesta sexta-feira (6) que voltar ao voto impresso “seria um retrocesso”.

O ministro falou sobre o assunto durante participação o 8º Fórum Liberdade e Democracia, em Vitória.

“Retornar ao voto impresso é um retrocesso, é como comprar um videocassete. Meu único incômodo com as urnas é o custo delas. Temos 500 mil, custa 700 milhões de reais, a cada eleição temos que trocar 100 mil delas”, disse.

Barroso comentou sobre as eleições de 2022 depois de o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) defender a adoção do voto impresso uma transmissão em rede social. O ministro não citou a fala do presidente.

“Está bastante avançado o estudo, a gente quer no ano que vem, mergulhar na Câmara e no Senado para que a gente possa realmente ter um sistema eleitoral confiável em 22”, disse Bolsonaro.

Barroso, que participou como observador convidado nas eleições americanas, onde o voto é impresso, comentou o sistema dos Estados Unidos, mas evitou comparações com o brasileiro.

“Não tenho a pretensão de ter algo a ensinar. O que eu acho é que precisamos mudar para o sistema distrital misto com urgência”, explicou.

Leia mais

Leia também