Presidente do Equador é expulso de seu partido, o Aliança País


Sputnik – Moreno alega que já havia renunciado ao movimento político em fevereiro. No entanto, alguns líderes afirmam que ele fez isso para evitar a exclusão e oficializaram sua saída nesta quinta-feira (4).

O partido equatoriano Aliança País (AP) expulsou de suas bases o presidente da república Lenín Moreno, por não aceitar sua renúncia anterior. Em nota, o movimento político, presidido por Moreno desde 2017, informou que após reunião determinou que não aceitava sua renúncia por estar em andamento “processo contra ele”, que resultou na “expulsão como militante” e na “demissão de sua posição” naquela organização partidária de esquerda.

O AP defende sua resolução na qual o presidente cometeu “infrações” ao “deixar a liderança política do movimento abandonada”, ao comparecer a apenas duas “sessões formais” em quatro anos, ao “descumprir o plano do governo” e ao “distribuir ilegitimamente poder a representantes de outros partidos políticos”.

Diante da determinação, Moreno se perguntou em sua conta no Twitter: “Como você expulsa alguém que já foi embora?” Além disso, publicou uma carta, datada de 26 de fevereiro, dirigida ao secretário-executivo do partido, Gustavo Baroja Narváez.

A ex-candidata à presidência do Aliança País, Ximena Peña, interpretou a renúncia como uma decisão tomada “depois de cumprir as instruções de seus assessores”: María Paula Romo, ex-ministra de Governo; Richard Martínez, ex-ministro da Economia, a quem define como “seu candidato” nas últimas eleições, e Guillermo Lasso, do movimento de direita Creando Oportunidades (CREO).

“Lenín se desfilia do Aliança País para evitar sua expulsão. Hoje ele se desfilia, amanhã ele fugirá do país”, escreveu a política na rede social.

REPRODUÇÃO

REPRODUÇÃO

Leia mais

Leia também