Prefeito de Colatina afirma que hospitais da cidade já estão em colapso

Em um desabafo, o prefeito de Colatina, Guerino Balestrassi (PSC), afirmou que a situação da área da saúde na maior cidade do Noroeste do Espírito Santo já é de colapso.

De acordo com o prefeito, recentemente quatro pacientes com Covid-19 ficaram à espera por uma vaga para internação, enquanto todos os leitos de UTI do município estavam ocupados. Trata-se de um dos momentos mais críticos da pandemia do coronavírus já vividos na cidade.

Nesta sexta-feira (19), de acordo com Guerino, dos 69 leitos de UTI existentes, apenas um encontra-se disponível para toda a região.

Nesses três hospitais, só há uma vaga. Vamos conseguir melhorar porque temos o apoio de Baixo Guandu. Antes tínhamos quatro pra dar entrada na UTI e não tínhamos espaço nenhum. Agora já estamos começando a equilibrar“, disse Balestrassi em entrevista à TV Gazeta.

O prefeito pontuou também que mais 10 leitos para pacientes com Covid-19 serão abertos no Hospital Estadual Sílvio Avidos. Para que haja espaço suficiente dentro da unidade para a implantação das novas estruturas, parte da administração do hospital será transferida para a sede da Secretaria de Saúde, que fica em frente ao Sílvio Avidos.

Ainda assim, segundo o prefeito, os novos 10 leitos não serão suficientes para dar conta da demanda, visto que Colatina é uma cidade polo que atende também às cidades vizinhas do Noroeste e do Norte do estado.

A pouca disponibilidade de estrutura para atendimento é um problema enfrentado em todo o estado, já que a taxa de ocupação dos leitos de UTI para o tratamento de Covid-19 já passa de 90%.

Outra preocupação em Colatina diz respeito à possibilidade de falta de profissionais da área da saúde para dar conta da demanda de atendimentos.

“Os médicos estão sendo assediados por hospitais de São Paulo, principalmente. Essa complexidade da solução do problema se dá porque não estamos isolados. O país todo está colapsando. Uma ação que fazemos aqui tem repercussão no Brasil e vice-versa“, destacou o prefeito

Tomara que esse plano estratégico que o governo elaborou tenha êxito. Nós estamos nos esforçando”, acrescentou.

Apesar da situação dos hospitais, que já atingem seu limite de capacidade de atendimento, o prefeito de Colatina afirmou que a população e os comerciantes da cidade estão colaborando para o aumento do isolamento social durante o período de quarentena decretado pelo governo estadual.

Nesta quinta (18), o secretário de Saúde do Espírito Santo, Nésio Fernandes, alertou também que hospitais particulares e filantrópicos já registram falta de medicamentos para intubação e pediram empréstimos ao governo estadual.

O prefeito de Colatina garantiu também que a fiscalização da quarentena está sendo feita na cidade com o apoio da Polícia Militar e que a prefeitura ajudará os comerciantes e outros setores que estão sofrendo perdas econômicas com incentivos fiscais e renegociações de dívidas.

 

Hospital Silvio Ávidos, em Colatina — Foto: Reprodução/A Gazeta

Hospital Silvio Ávidos, em Colatina — Foto: Reprodução/A Gazeta

Leia mais

Leia também