Prazo de 16 meses para vacinar população contra a Covid-19 é longo, diz Casagrande

O governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB), considerou longo o prazo de 16 meses para que a campanha de vacinação contra a Covid-19 seja concluída no país.

A declaração foi dada pelo governador na manhã desta quarta-feira (16), ao chegar ao Palácio do Planalto para o lançamento do plano nacional de vacinação pelo governo federal.

O prazo já havia sido divulgado em uma prévia do plano de vacinação apresentada pelo Ministério da Saúde na semana passada. Segundo o documento, serão quatro meses para vacinar todos os grupos prioritários e, em seguida, 12 meses para imunizar a “população em geral”.

Mas, para o governador, o Brasil tem condições para que toda a população seja imunizada até julho de 2021.

“É longo, é longo, é longo. Eu acho que 16 meses a gente vai entrar 2022, tá certo? O esforço que a gente tem que fazer é imunizar as pessoas agora até o final do primeiro semestre. […] Eu acho que temos condições até o mês de junho, julho, com a capacidade que a Fiocruz tem, com a capacidade que o Butantan tem, a gente tem condições de vacinar todos os brasileiros até o meio do ano”.

Após o anúncio do plano nacional de imunização nesta manhã, Casagrande usou o Twitter para dizer que o planejamento contempla a compra de todas as vacinas registradas na Anvisa e que espera que o processo de registro dos imunizantes seja rápido.

O governo federal prevê iniciar a vacinação contra a Covid-19 em até cinco dias após o registro ou autorização das doses pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e a entrega dos primeiros lotes.

Questionado, o governador disse que esse tempo pode ser considerado razoável e destacou que o Espírito Santo já tem tudo pronto para começar a imunização.

“Acho razoável o prazo de até cinco dias para iniciar. Agora, até cinco dias não significa que precisa gastar os cinco dias, é o mais rápido que puder fazer. Nós, no Espírito Santo, estamos preparados para começar imediatamente na hora que a vacina chegar ao nosso Estado. […] Se [a vacina] chegar hoje, amanhã já começamos a distribuir e aplicar. Porque nós já temos a seringas, já compramos todos os insumos necessários”, disse.

Perguntado se o Espírito Santo cogita comprar vacinas com outros fornecedores no exterior, a fim de acelerar a vacinação, Casagrande disse que sim.

“Iniciado um plano nacional, se o estado do Espírito Santos tiver capacidade e possibilidade de adquirir vacinas para a gente poder ser mais rápido, e a gente alcançar, o Espírito Santo tem condições de fazer isso, e eu farei isso”.

Na semana passada, ele já havia dito que formalizou uma consulta ao Instituto Butantan sobre a disponibilidade de 440 mil doses da CoronaVac, vacina contra a Covid-19 produzida em parceria com o laboratório chinês Sinovac.

 

Leia mais

Leia também