Políticos lamentam caso de desaparecimento e cobram justiça por Bruno e Dom

Compartilhe

Foto: Reprodução/Internet
Foto: Reprodução/Internet

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) – Políticos brasileiros pediram “respostas” e “investigação rigorosa” sobre o caso do indigenista Bruno Araújo Pereira e do jornalista inglês Dom Phillips. Os dois estão desaparecidos desde o dia 5 de junho na região do Vale do Javari, oeste do Amazonas.

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) pediu “investigação rigorosa”. O parlamentar disse que a luta em defesa da Amazônia “perdeu duas pessoas corajosas”.

O político também enviou ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), um pedido de criação de uma Comissão Externa para apurar o caso. Segundo Randolfe, o grupo será responsável por investigar também “o aumento da violência na Amazônia e os ataques às pessoas e associações que trabalham em defesa do Meio Ambiente”.

O senador Renan Calheiros (MDB-AL) disse que Bolsonaro “é o responsável e haverá de pagar”. O político disse que o Estado “vai empilhando mortes e dores” em um clima de “ódio, golpismo, matança, armas, desprezo pela vida, milícias e omissão intencional”.

“Mais de 668 mil na pandemia, Genivaldo no SE e agora a tragédia no Amazonas, ainda sem solução”, escreveu no Twitter.

Nesta segunda-feira (13), a mulher do jornalista disse ao canal GloboNews que dois corpos foram encontrados na região em que Dom e o indigenista Bruno Pereira desapareceram. A família de Dom Phillips no Reino Unido também disse ter sido informada, de acordo com o jornal inglês The Guardian.

As autoridades, no entanto, não confirmam a informação. Em nota, a Polícia Federal afirma que “não procedem as informações que estão sendo divulgadas a respeito de serem encontrados os corpos de Bruno Pereira e Dom Phillips”. Ainda de acordo com a nota da PF, “conforme já divulgado, foram encontrados materiais biológicos que estão sendo periciados e os pertences pessoais dos desaparecidos”.

A ex-senadora Marina Silva (Rede) pediu amparo de Deus às famílias de Dom e Bruno “neste momento de tanta dor”. Para ela, é necessária uma resposta rápida “com a identificação e punição judicial dos culpados”.

“A área, os povos isolados e seus aliados devem e precisam ser protegidos pelo Estado brasileiro”, escreveu.

O pré-candidato à Câmara dos Deputados Guilherme Boulos (PSOL-SP) disse que “o provável assassinato” do indigenista e do jornalista na Amazônia tem “digital de Jair Bolsonaro”. O político também prestou solidariedade aos familiares e a “todas e todos que seguem resistindo ao lado dos povos indígenas no país”.

RELEMBRE O CASO

Bruno Pereira e Dom Phillips sumiram em Atalaia do Norte, próximo à Terra Indígena Vale do Javari, uma reserva que sofre com disputas entre tráfico de drogas, madeiras e garimpo ilegal. Um suspeito foi preso e quatro testemunhas foram ouvidas.

Os dois foram vistos pela última vez por volta das 7h do dia 5, a bordo de um barco, e sumiram no trajeto entre a comunidade ribeirinha São Rafael e a cidade de Atalaia do Norte (AM), onde eram aguardados por duas pessoas ligadas à Univaja. Após um atraso de mais de duas horas na chegada da dupla, as buscas começaram.

Bruno trabalhava com ribeirinhos e indígenas da região, afetada pela ação de invasores. Segundo testemunhas, sofria ameaças constantes de garimpeiros, madeireiros e pescadores que atuavam em terras indígenas e, por isso, a falta de contato após um dos deslocamentos foi vista com bastante preocupação.

Em carta reproduzida pelo jornal O Globo, pescadores prometeram “acertar contas” com o indigenista. Segundi Yura, Bruno sofria ameaças desde quando foi coordenador da Funai em Atalaia do Norte. “Eram ameaças diretas, não mais veladas como acontecia outrora.”

O MPF (Ministério Público Federal), que abriu investigação do caso, acionou Polícia Federal, Polícia Civil, Força Nacional e Frente de Proteção Etnoambiental do Vale do Javari.

Paulo Barbosa da Silva, coordenador-geral da Univaja, disse que o repórter inglês fotografou invasores armados que ameaçavam indígenas. Segundo ele, esses homens seriam ligados a Amarildo Pereira, conhecido como Pelado, preso em flagrante na terça-feira (7) por posse de drogas e de munição de uso restrito e apontado como suspeito de envolvimento no sumiço. A defesa de Amarildo nega envolvimento dele com o desaparecimento.

 

Leia também

Com a chegada do inverno, EDP reforça orientações para economizar energia durante o período frio

  Com o início do inverno nesta terça-feira, dia (21), alguns hábitos comuns praticados no período, como tomar banhos...

Homem é morto a tiros em lanchonete por ex da namorada em São Domingos do Norte

  Um vídeo de uma câmera de segurança flagrou o momento que um homem de 35 anos foi morto...

Jaguaré realiza mutirão de vacinação neste sábado (25)

  A Prefeitura de Jaguaré, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, realiza, neste sábado (25), mais um mutirão...

Festa de São Pedro será no centro de Barra de São Francisco

Depois do sucesso da 1ª Festa do Caminhoneiro e da Safra do Café, vem aí a Festa de...

Duas pessoas morrem em novo acidente no Lago de Furnas

Duas pessoas morreram na noite deste sábado (18), no Lago de Furnas, nas proximidades do município de Capitólio,...

Edição especial do Festival de Cinema de Vitória tem exibições gratuitas de mais 40 filmes

    Teatro Sesc Glória, em Vitória Começa, nesta terça-feira (21), o 28º Festival de Cinema de Vitória - Reencontro. Todo...