Policial negro alega ter sido demitido por criticar racismo e brutalidade de agentes nos EUA


Um policial negro afirmou ter sido demitido após criticar publicamente condutas racistas e brutais de outros agentes da corporação no estado da Louisiana, nos Estados Unidos. De acordo com reportagem do jornal O Globo,  Carl Cavalier teria recebido uma carta assinada pelo superintendente da polícia estadual, Lamar Davis, alegando que ele  descumpriu a política do departamento ao falar sobre a morte de um homem, também negro, identificado como Ronald Greene, numa operação policial, em 10 de maio de 2019.

“Existem assassinos”, disse Cavalier em entrevista à emissora WWL-TV. “E há pessoas que concordam com os assassinos trabalhando. E essas são as pessoas que fazem parte do encobrimento. Eu considerei isso um assassinato. Por que mais hesitaríamos em ser transparentes sobre isso? Por qual outro motivo não faríamos nosso trabalho e responsabilizaríamos esses caras? Por que mais? Que outra razão?”, completou. 

Cavalier disse, ainda, que foi rebaixado e transferido ao denunciar o caso internamente. No último dia 30 ele decidiu ingressar com uma ação na Justiça contra seus superiores por discriminação. “Deve-se notar que nosso processo administrativo disciplinar não foi finalizado e Cavalier continua sendo um funcionário no momento”,  disse a tenente Melissa Matey ao ser indagada pelo jornal The Hill sobre o caso. 

O policial também é alvo de uma suspensão não remunerada de cinco semanas por ter publicado um livro contando como é ser um policial negro num ambiente considerado hostil por causa do racismo.