Polícia tem imagem de assassino de advogada e marido iraniano e ouve testemunhas

A Polícia Civil investiga a morte da advogada Marinelva Venturim de Paula, de 62 anos, e do marido dela, o iraniano D’ali Atash, de 68, que era estilista.

O casal foi assassinado a tiros na tarde deste domingo (18) em um sítio na localidade de Colina Verde, em Santa Leopoldina, na Região Serrana do Espírito Santo.

Em nota, a Polícia Civil informou que o duplo homicídio será investigado pela Delegacia de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP).

José Carlos Rizk Filho, presidente da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Espírito Santo (OAB-ES) afirmou que foi procurado ainda neste domingo pela família de Marinelva, que solicitou que a OAB acompanhe as investigações.

Segundo ele, ainda não há informações que indiquem se o assassinato está ou não diretamente relacionado ao exercício da advocacia por parte de Marinelva. No entanto, a entidade seguirá acompanhando o inquérito e se manifestando para que o crime seja solucionado.

“O crime chama atenção pela execução sumária que aconteceu”, pontuou.

Rizk lembrou que no dia 9 deste mês, a casa de uma advogada foi alvo de tiros em Iúna, no Sul do Espírito Santo. Sete disparos destruíram os vidros da sacada da casa e também objetos do interior, mas ninguém se feriu. O presidente da OAB disse que a entidade está preocupada com os crimes contra advogados cometidos no Espírito Santo.

“A ordem cobra imediatas providências do governador do Espírito Santo, dos órgãos de segurança para que haja uma apuração sobre esses crimes e seja entregue à sociedade um resultado efetivo para que todos nós tenhamos segurança em nossos lares”, explicou.

Corpos foram levados para o Departamento Médico Legal (DML) de Vitória

Corpos foram levados para o Departamento Médico Legal (DML) de Vitória

A advogada Marinelva Venturim de Paula e o marido, D'ali Atash, foram assassinados em Santa Leopoldina — Foto: Reprodução/Facebook

A advogada Marinelva Venturim de Paula e o marido, D’ali Atash, foram assassinados em Santa Leopoldina — Foto: Reprodução/Facebook

Leia mais

Leia também