Polícia Militar Ambiental flagra desmate de 25 hectares no interior de Nova Venécia

Nesta segunda-feira (06), policiais militares da Terceira Companhia do Batalhão de Polícia Militar Ambiental (BPMA) se deslocaram até a comunidade do Córrego do Poção, no interior de Nova Venécia, após receberem uma denúncia anônima encaminhada pelo Serviço Disque Denúncia 181, dando conta de que naquela localidade estaria em andamento um desmate de vegetação nativa (Mata Atlântica) de grandes proporções.

Ao chegarem ao local, os agentes confirmaram a veracidade das informações e efetuaram a prisão de B.S., 65 anos, gerente da propriedade fiscalizada, que informou à equipe policial que o desmate tinha como objetivo a ampliação de área para cultivo de café.

Na ação, foram ainda apreendidas duas máquinas de esteira e cinco metros cúbicos de madeira nativa. O total da área de Mata Atlântica degradada mensurada pela Polícia Ambiental foi de 25 hectares, o que equivale a 250 mil metros quadrados. B.S. foi conduzido até a Delegacia de Polícia Civil de Nova Venécia para prestar esclarecimentos acerca do desmate.

Segundo o comandante da Terceira Companhia do Batalhão de Polícia Militar Ambiental, capitão Fabrício Pereira Rocha, a Mata Atlântica é uma das regiões mais ricas do mundo em biodiversidade e hoje é considerada um dos biomas mais ameaçados do planeta, contando com apenas 8,5% de suas florestas originais, conforme dados do Instituto Brasileiro de Florestas (IBF). “É com preocupação que nos deparamos com as situações de desmate e queimadas de vegetação nativa, em particular da Mata Atlântica, visto que é o lar de grande variedade de plantas e animais, muitos deles ameaçados de extinção, além de ser o abrigo de várias populações tradicionais e ela garante o abastecimento de água para mais de 100 milhões de pessoas”, ressalta o oficial.

O capitão Fabrício ressalta que a Polícia Ambiental tem intensificando as ações de combate aos crimes ambientais nos remanescentes de Mata Atlântica por meio das operações Força e Presença realizadas no interior e arredores das Unidades de Conservação e também por meio de operações conjuntas com os demais órgãos de segurança e proteção ambiental.

A Polícia Ambiental alerta a comunidade de que a pena para quem destruir ou danificar vegetação primária ou secundária, em estágio avançado ou médio de regeneração, do Bioma Mata Atlântica, ou utilizá-la com infringência das normas de proteção é de detenção, de 1 (um) a 3 (três) anos, ou multa, ou ambas as penas cumulativamente, conforme a Lei 9.605/98 (Lei de Crimes Ambientais).

A população pode ajudar a polícia ambiental a proteger o meio ambiente e a combater os crimes ambientais. Ao ter qualquer informação sobre crimes ambientais, o cidadão deve ligar para o telefone 181 (Serviço Disque Denúncia) ou acessar o site www.disquedenuncia181.es.gov.br. Não é necessário se identificar.

Leia mais

Leia também