Polícia Federal faz operação contra tráfico de animais silvestres no Noroeste do Espírito Santo • SiteBarra

Polícia Federal faz operação contra tráfico de animais silvestres no Noroeste do Espírito Santo

 

A Polícia Federal iniciou, nesta terça-feira (9), uma operação com o objetivo de desarticular uma organização criminosa que trafica animais silvestres, incluindo espécies ameaçadas de extinção, que atua em cidades do Norte do Espírito Santo e também no Rio de Janeiro.

As investigações apontam que o grupo age há mais de 15 anos em solo capixaba, capturando e vendendo animais, como papagaios, macacos e jacarés.

Chamada de operação “Aveas Corpus”, a ação visa cumprir 13 mandados de busca e apreensão estão sendo cumpridos nas cidades de Vila Valério, São Gabriel da Palha, Nova Venécia e Águia Branca, no Espírito Santo, além de Magé, no Rio de Janeiro.

Até o momento, não há informações sobre prisões ou sobre o número total de apreensões. No entanto, em imagens divulgadas pela Polícia Federal, é possível ver animais, como papagaios e outras aves, muitos deles ainda filhotes, sendo resgatados pelos agentes.

Ao todo, 55 policiais federais do Espírito Santo, do Rio de Janeiro e de Minas Gerais participam da ação, que também conta com o apoio de servidores do Ibama e do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

“A organização vendia especialmente papagaios da raça Chauá, mas não se limitava a papagaios, eles também vendiam outras aves, vendiam macacos, vendiam jacarés. Foi descoberto todo esse esquema criminoso, que tinha uma parte no Espírito Santo e uma parte no Rio de Janeiro. Hoje foi dado cumprimento a 13 mandados de busca e apreensão. Essa fase da operação é importantíssima para que a gente obtenha mais provas, para que em uma futura fase dessa mesma investigação, sejam realizadas prisões, a fim de que essa organização criminosa, que tem trazido graves prejuízos à fauna não permaneça impune”, disse o superintendente da Polícia Federal no Espírito Santo, Eugênio Ricas.

A principal espécie de papagaio traficada pelo grupo investigado é o Papagaio Chauá, mas também se verificou outras espécies, como a Maracanã-verdadeiro e a Maritaca.

Segundo a PF, o grupo também comercializa outros animais, incluindo macacos-prego (também ameaçado de extinção), coleirinhos, corrupiões, corujas e de filhotes de jacaré.

No caso dos macacos-prego, apenas os filhotes eram capturados, pois os animais adultos são muito agressivos. Para conseguir pegar os filhotes, os caçadores matavam as mães, diz a PF.

Somente em 2020, cerca de 55 (cinquenta e cinco) filhotes de papagaios foram capturados. De acordo com a PF, considerando que o grupo criminoso atua há cerca de 15 anos, a estimativa é de que 20 mil aves tenham sido capturadas.

As investigações tiveram início após pessoas terem sido presas durante uma fiscalização do Ibama e do ICMBio. Elas estavam com oito filhotes de papagaio Chauá, que possivelmente foram capturados na Reserva Biológica de Sooretama.

A partir daí, foram identificadas ao menos oito pessoas que atuam em Vila Valério, São Gabriel da Palha, Nova Venécia e Águia Branca predando ninhos e capturando filhotes de aves de várias espécies. Durante o período de nascimento dos filhotes, entre setembro e janeiro, os caçadores coletam os filhotes das aves nos ninhos e os vendem a um intermediário no Espírito Santo.

“O intermediário repassa os animais para um grande comerciante de animais silvestres ilegalmente capturados na natureza que, a partir do Rio de Janeiro, envia os animais para outros estados do país”, explicou a PF.

Cada filhote de papagaio é vendido pelos caçadores por cerca de R$100,00. Já o intermediário os revende para o comerciante no Rio de Janeiro por R$ 150,00. Os animais são vendidos por até R$ 3 mil ao comprador final.

Os investigados poderão responder pela prática de crimes contra a fauna; maus-tratos aos animais e associação criminosa. Por haver a prática de caça profissional, a pena poderá ser aumentada até o triplo.

 

Filhotes de papagaio foram apreendidos durante operação Aveas Corpus, da Polícia Federal — Foto: Reprodução/PF

Filhotes de papagaio foram apreendidos durante operação Aveas Corpus, da Polícia Federal — Foto: Reprodução/PF

 

Fotos de animais capturados ainda filhotes foram encontradas em celulares dos investigados — Foto: Reprodução/PF

Fotos de animais capturados ainda filhotes foram encontradas em celulares dos investigados — Foto: Reprodução/PF

Papagaios foram apreendidos durante Operação Aveas Corpus, da Polícia Federal

Papagaios foram apreendidos durante Operação Aveas Corpus, da Polícia Federal