Polícia diz que “confundiu” pistola com arma de choque ao matar mais um jovem negro em Minneapolis


A polícia da cidade de Brooklyn Center, no subúrbio de Minneapolis, no estado de Minnesota (Estados Unidos), alegou que a agente que matou um jovem negro, Daunte Wrigh, no domingo, 11, teria confundido sua pistola elétrica de imobilização com sua arma de fogo.

O comandante da polícia da cidade de Brooklyn Center, Tim Gannon, afirmou que “a policial sacou sua pistola no lugar do taser”, em uma entrevista coletiva. “Foi um tiro acidental que resultou na trágica morte”, continuou.

Centenas de pessoas se manifestaram em frente ao Departamento de Polícia do Brooklyn Center depois que a polícia atirou em Wright, rapaz negro de 20 anos, na tarde de domingo. 

O incidente teria ocorrido durante uma espécie de blitz de trânsito em que os policiais teriam atirado supostamente por causa de um purificador de ar. O protesto acabou ficando tenso e causou saques na área.

A mãe de Wright disse à mídia na cena que seu filho ligou para ela quando foi parado pelos agentes e disse que era por causa de um purificador de ar pendurado no espelho retrovisor. 

Daunte Wright

Daunte Wright (Foto: Reprodução)

Leia mais

Leia também