Plataforma digital de empregos do SENAI é alternativa para quem busca trabalho na pandemia

O Brasil enfrenta hoje uma crise além da deixada pela pandemia na área da saúde. Em agosto, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o País já tinha quase 13 milhões de desempregados, alcançando a marca de 13,7% na taxa de desocupação. Para tentar driblar esse cenário, o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) criou o Contrate-me, uma plataforma de empregos digital que vai mostrar oportunidades de vagas no mercado de trabalho em todo o Brasil.  

Conhecido como o “tinder” do emprego, o Contrate-me vai aproximar quem quer se inserir no mercado de quem procura profissionais aptos e qualificados.

“De um lado, estão os candidatos que cadastram o currículo e as competências técnicas e respondem a uma entrevista digital, que identifica as características socioemocionais do candidato por meio de inteligência artificial. Do outro lado, está a empresa, que cadastra uma vaga, define o currículo e as competências técnicas e socioemocionais que ela busca. A partir daí, a plataforma faz o ‘match’”, explica o gerente executivo de Educação do SENAI, Felipe Morgado.

A partir do “match” entre candidato e vaga, o sistema faz o ranking dos dez melhores requerentes. “Ele ranqueia os candidatos que têm maior aderência ao perfil desejado pela empresa”, completa Morgado. 

O cadastro no Contrate-me é gratuito para as pessoas que buscam emprego. As vagas são para todos os setores, inclusive na indústria, alvo da entidade. “Ao se cadastrar, o candidato ganha uma análise das características socioemocionais. A partir disso, ele vai identificar o gap (lacuna) de competências que ele tem em relação às vagas do mercado de trabalho, a fim de se requalificar”, acredita o gerente. 

Jean Gama, de 24 anos, já se cadastrou e aprovou o Contrate-me. Hoje, ele é estagiário de elétrica com ênfase em automação no Rio de Janeiro, mas espera em breve ser contemplado com uma vaga no sistema. “Conheci a plataforma ao procurar cursos gratuitos no SENAI e decidi me inscrever. Ainda não fui contemplado com uma vaga, mas creio que em breve vou conseguir”, anima-se. 

Segundo Jean, a plataforma digital é intuitiva. “Gostei bastante, vou indicar para meus amigos, porque muitos estão precisando de emprego por causa da pandemia”, destaca.

Plataforma para empresas 

Para as empresas que quiserem cadastrar vagas na plataforma, Felipe Morgado explica. “As mil primeiras vagas que forem cadastradas serão gratuitas. Estamos com um cupom, que é o ‘Contrate-me now’, que dá direito a uma vaga por empresa. Depois disso, para cada vaga, em que são ranqueados dez candidatos, o custo é de R$ 150, por vaga”, detalha. 

Morgado comemora os resultados e resgata o histórico da plataforma, que já conta com mais de 30 mil currículos cadastrados até o momento. “A gente começou com os alunos do Senai. Há dois meses, abrimos para toda a sociedade. Hoje, estamos com cerca de mil candidatos cadastrando currículos por dia, o processo está superinteressante”, observa. 

Com as empresas, ele comenta que o processo só foi mais incisivo recentemente. “Já temos 43 empresas cadastradas e um contrato fechado com uma empresa de roteadores, já com o primeiro ‘match’ de vaga”, diz. 

A ideia da plataforma surgiu ainda no início do ano, em fase de testes, antes dos primeiros casos de Covid-19 despontarem no País. Felipe Morgado, gerente do SENAI, afirma que o cenário pandêmico intensificou o processo. 

“O SENAI sempre foi muito procurado pelas empresas na busca de profissionais bem qualificados. Encontramos, por meio da tecnologia, uma possibilidade de ajudar essas empresas a fazerem esse processo de seleção, essa foi a primeira ideia. Com a pandemia, vimos que várias empresas estão fazendo esse processo de seleção à distância. A gente acredita que isso ajuda muito, principalmente com uso de inteligência artificial, em que essa margem de erro fica bastante reduzida”, observa. 

Morgado acredita, ainda, que o Contrate-me pode ser um ponto de apoio para a retomada econômica do Brasil pós-pandemia. “O grande desafio nesse momento é reduzir custo para a empresa – e o processo de seleção tem custos. Se elas conseguirem um processo de seleção efetivo, bem feito e com segurança de que o profissional realmente tenha as competências requeridas, já é um ponto”, elenca o gerente. 

“O segundo ponto é que costumamos falar que o profissional é contratado pela competência técnica e é desligado pelas competências socioemocionais. Então, se no momento de seleção já forem identificadas as características socioemocionais do candidato com as que a empresa busca, a gente imagina que vai reduzir o volume de desligamentos, ajudando as empresas a terem mais produtividade”, projeta Morgado. 

Contrate-me

Lançado neste ano pelo SENAI, em parceria com a Speck, o Contrate-me conta atualmente com mais de 30 mil currículos cadastrados por pessoas que buscam uma colocação na indústria e no mercado em geral.

Por meio de inteligência artificial, o programa ajuda a encontrar a vaga ideal de emprego, mostrando ao ofertante os currículos que mais se aproximam do que se está buscando, não só pelas competências técnicas, mas também pelas competências emocionais, obtidas pela plataforma a partir de uma entrevista on-line, que é feita com todos os candidatos.

Foto: Agência Brasil

Leia mais

Bolsonaro assina MP que isenta pagamento de energia por pessoas de baixa renda

Medida beneficiará mais de 9 milhões de famílias de baixa renda. – Foto: ...

Veneciano com microcefalia precisa de cadeira de rodas especial

Material de construção para adequação do banheiro, telhado,...

Qualidade da merenda escolar depende de ações pontuais das prefeituras, afirma presidente da Undime

Em entrevista exclusiva ao Brasil 61, o presidente da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), Luiz Miguel Martins Garcia, afirmou que a...

Leia também