Peru se torna país com mais mortes por habitante após revisão de números


Com um dos piores cenários da pandemia do novo coronavírus no mundo, com hospitais lotados e falta de oxigênio, o Peru atualizou nesta segunda-feira, 31, o número oficial de mortes por Covid-19 no país.

Com a revisão, o total chegou a 180.764 mortos, mais que o dobro do que estava sendo anunciado. No domingo, 30, o número estava em menos de 70 mil.

Segundo a Universidade Johns Hopkins, com os números atualizados, o Peru tem a pior taxa do mundo de óbitos pelo vírus em números relativos à população. Com mais de 500 vítimas do coronavírus para cada 100 mil habitantes, o país latino-americano ultrapassou a Hungria, então líder.

“Acreditamos que seja nosso dever divulgar essa informação atualizada”, disse a  presidente do Conselho de Ministros, Violeta Bermudez.

Crise política

Assim como outros países da América Latina, o Peru vive um atual momento de crise política, com o acirramento da polarização. Desde novembro do ano passado, o país já esteve sob o comando de três presidentes. 

Um deles, Manuel Merino, que assumiu após a derrubada de Martín Vizcarra, ficou apenas cinco dias no poder, sendo sucedido pelo atual presidente, o banqueiro Francisco Sagasti. Desde o comando de Pedro Pablo Kuczynski, eleito em 2016, o país vive uma instabilidade política, com amplas mobilizações de rua.

Assim, a ingestão na pandemia do novo coronavírus é um dos temas importantes na atual disputa presidencial que ocorre no país, na qual disputam Pedro Castillo – candidato da esquerda com amplo apoio entre camponeses – e Keiko Fujimori – fascista, filha do ex-ditador Alberto Fujimori.

Os dois se enfrentam no segundo turno das eleições presidenciais peruanas no próximo domingo, 6. Uma pesquisa produzida pelo Instituto Ipsos aponta que Castillo lidera a última pesquisa eleitoral antes do segundo turno com 51,1% dos votos válidos, contra 48,9% de Fujimori.


Leia mais

Leia também