Peritos da Polícia Civil fazem participação em livro sobre toxicologia

Compartilhe

 

Apresentando diversas técnicas que podem ser utilizadas para identificar substâncias importantes na toxicologia, como medicamentos, drogas de abuso e agrotóxicos, o livro Manual de Práticas em Análises Toxicológicas contou com a participação de diversos peritos, professores universitários e outros profissionais de notório saber de diferentes estados do Brasil, inclusive, da Polícia Civil do Espírito Santo (PCES).

Os peritos Fabrício Pelição e Mariana Dadalto foram convidados para participarem de um capítulo do livro que foi lançado no final de 2021 e desenvolvido pelos colaboradores Tiago Severo Peixe e André Valle de Bairros, sendo um livro didático com o objetivo de ser utilizado em aulas práticas dos cursos de graduação em Farmácia, Química, Biomedicina, Biologia e áreas afins, bem como para auxiliar profissionais de laboratório em diversos campos de atuação.

Juntos, os peritos Fabrício Pelição e Mariana Dadalto, que estão na PCES há 15 e 08 anos, respectivamente, escreveram o capítulo “Determinação de Fosfina e Cianeto em distintas metodologias para aplicação em amostras biológicas utilizando técnica de cromatografia gasosa com detector de Nitrogênio e Fósforo (GC-NPD)”. Esse capítulo trata da análise laboratorial de um inseticida muito utilizado na cultura do feijão e outros grãos (fosfina), além das análises de cianeto e aldicarbe (vulgo chumbinho) por um equipamento chamado Cromatógrafo Gasoso equipado com Detector de Nitrogênio e Fósforo. As substâncias abordadas pelos autores têm grande importância forense por estarem bastante relacionadas com casos de intoxicações intencionais, sejam homicídios ou suicídios.

De acordo com Fabrício Pelição, o convite para participar do livro surgiu em 2020. “O convite veio do professor André Bairros, um dos organizadores do livro a quem conhecemos em congressos científicos que participamos juntos”, disse.

O perito contou ainda que já conhecia a perita Mariana Dadalto desde 2007, quando ela participou de um projeto como aluna da UFES em parceria com a Polícia Civil do Espírito Santo.

“Depois nós fizemos doutorado juntos na USP de Ribeirão Preto, e de 2014 a 2018, ano que assumi a chefia do departamento, trabalhamos juntos no Laboratório de Toxicologia da PCES. Nós escrevemos o capítulo juntos, utilizando conhecimentos e técnicas que são aplicadas no dia a dia do Laboratório de Toxicologia Forense”, descreveu Fabrício.

Texto: Victória Meireles

 

Leia também

SONO: Quantas horas você precisa dormir?

O número de horas de sono é necessidade individual. Ou seja: cada pessoa apresenta um perfil que precisa...

Defesa Civil Nacional vai repassar R$ 2 milhões a 11 cidades atingidas por desastres

O Governo Federal, por meio do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), autorizou o repasse de R$ 2 milhões...

Carro bate em palmeira e arranca árvore do lugar em Nova Venécia

Um acidente foi registrado na manhã desta segunda-feira, 23, na reta do bairro Aeroporto, em Nova Venécia. Segundo...

Cartilha dá dicas para turistas em viagens de carro

Os ministérios da Justiça e do Turismo lançaram hoje (25) uma cartilha que pretende ajudar os turistas, enquanto...

Motorista perde controle de veículo e invade residência no interior de Barra de São Francisco

Um homem ficou ferido após perder o controle do veículo em que dirigia e colidir contra uma casa...

Receita abre nesta terça-feira (24/05), consulta ao primeiro lote de restituição do IRPF 2022

A partir das 10 horas desta terça-feira (24/05), o primeiro lote de restituição do IRPF 2022 estará disponível...

“Temos a obrigação de servir”, diz prefeito Enivaldo dos Anjos ao inaugurar ‘Sopão Popular’ no bairro Irmãos Fernandes

O prefeito de Barra de São Francisco, Enivaldo dos Anjos, visivelmente emocionado, fez um discurso na noite desta...