Pela 10ª vez em 8 meses, preço do gás sobe no Espírito Santo e botija pode chegar a R$ 88

 

Pela décima vez em menos de oito meses, o preço do gás de cozinha passará por um novo reajuste no Espírito Santo. Com o aumento de 5,5%, que passará a valer a partir deste sábado (5), a botija poderá variar entre R$ 80 e R$ 88.

O valor já é muito distante se comparado aos preços do início deste ano, quando a botija era vendida na faixa de R$ 60. Mesmo assim, de acordo com o vice-presidente do Sindicato dos Revendedores de Gás, Cléber dos Santos Almeida, é possível que mais um reajuste aconteça até o final deste mês.

A situação já é motivo de preocupação para as famílias. Na casa de Flavia Bertulani, o consumo de gás vem aumentando, já que, em função da pandemia da Covid-19, os quatro filhos da autônoma têm passado mais tempo em casa.

Desempregada e já prevendo mais aumentos, Flavia diz não saber o que fazer. “Como eu vou fazer para comprar uma botija de gás de R$ 100?”, questionou.

Os constantes aumentos não só pesam no bolso dos consumidores, como também vêm prejudicando o setor, reclamam os representantes da categoria.

Segundo Cléber dos Santos Almeida, as alterações dos valores são feitas pela Petrobrás e comunicadas às engarrafadoras. “Quando nós procuramos a justificativa é tudo baseado em dólar. O barril é cotado em dólar”, explicou.

O vice-presidente do Sindicato das Revendedoras de Gás afirmou que os aumentos não estão sendo repassados integralmente aos consumidores.

“Se tivéssemos repassado todos os aumentos até a presente data, o consumidor estaria pagando de R$ 95,00 a R$100,00. Lembrando que o Espírito Santo é o segundo estado com gás mais barato do Brasil. E a gente está absorvendo grande parte desse aumento. O setor já está demitindo, alguns revendedores estão fechando as portas, devido às engarrafadoras. As engarrafadoras tentam ajudar a gente, mas têm o limite delas. É um setor que está praticamente falido por conta dos aumentos constantes”, disse.

Leia mais

Leia também