PCES desarticula organização criminosa que movimentou mais de R$ 2 milhões provenientes do tráfico de drogas

Uma loja de roupas infantis no município da Serra. Essa era a maneira que uma organização criminosa composta por 13 pessoas usava como fachada para lavar o dinheiro proveniente do tráfico de drogas.  Todo o esquema foi descoberto pela equipe da Delegacia de Repressão a Ações Criminosas Organizadas (Draco) ao longo de um ano e meio de investigações. Duas advogadas fazem parte dessa organização e uma delas é considerada foragida. As informações sobre como eles agiam foram divulgadas na manhã desta quarta-feira (23), durante coletiva de imprensa realizada na Chefatura de Polícia, em Vitória.

O delegado-geral da Polícia Civil do Espírito Santo, José Darcy Arruda, avaliou como de extrema importância essa ação da Draco que tem dois anos de existência e tem como finalidade investigar lavagem de capitais e sonegação de bens patrimoniais oriundos dos proventos de crimes de corrupção e tráfico de drogas e outros delitos.

“Com essa ação foram mais de R$ 2 milhões de bens bloqueados, sendo seis apartamentos, uma casa de alto padrão, três veículos de luxo e contas bancárias. Viramos a chave, pois a Draco não vai atuar nas retiradas de drogas do mercado e, sim, trabalhar firme na sonegação de bens e lavagem de capitais para descapitalizar o tráfico de drogas e as organizações criminosas. Na nossa estrutura temos uma Divisão para trabalhar essa modalidade de crime, pois entendemos o quanto é importante a descapitalização da organização criminosa. Só assim é possível extirpar esse tipo de crime no mercado”, destacou.

A parte operacional dessa ação foi realizada nessa terça-feira (22) quando cerca de 150 policiais civis e da Força Nacional realizaram a operação “Capital” e cumpriram 20 mandados de busca e apreensão nos municípios de Vitória, Serra, Guarapari, Marataízes e na cidade do Rio de Janeiro (RJ), tendo como foco essa organização criminosa envolvida em tráfico de drogas e lavagem de dinheiro.  Foram apreendidos diversos documentos contábeis, celulares, computadores, oito munições calibre 9mm, 11 munições calibre .32, uma munição de fuzil calibre 762, um revólver calibre .32, uma pedra de 165 gramas de crack e 54 gramas da mesma droga em pequenas pedras e uma balança de precisão.

O titular da Draco, delegado Marcus Vinícius Souza, ressaltou que essa foi a primeira fase dessa investigação. “Conseguimos obter provas robustas para comprovar o envolvimento dessas pessoas nesses crimes e a aquisição desses bens com dinheiro ilícito. Novas fases serão realizadas e, possivelmente, serão localizados novos bens”, destacou.

Nesta primeira fase, foram bloqueados sete imóveis e três carros, totalizando R$ 2 milhões adquiridos com dinheiro proveniente do tráfico de drogas.  Entre os bens estão cinco apartamentos na Serra, um em Vitória, uma casa de alto padrão avaliada em R$ 500 mil, em Guarapari, além de três carros avaliados em R$ 200 mil, sendo um deles no valor de R$ 75 mil que estava no nome de uma auxiliar de serviços gerais de 42 anos, usada como “laranja”.

O esquema

Durante as investigações, que duraram um ano e meio, os policiais descobriram que um dos grandes líderes do tráfico de drogas do Estado e que está preso, criou uma empresa para ser usada como fachada para lavagem do dinheiro proveniente do tráfico de drogas. 

Liderando essa empresa estava a esposa dele, uma advogada de 37 anos que era a responsável por coordenar a lavagem de dinheiro obtida com a venda da droga e também pelo núcleo jurídico da organização criminosa, juntamente com sua irmã, uma advogada de 31 anos. “Percebe-se que ela vem crescendo no mundo do crime, pois em 2007 foi presa por tráfico de drogas na Bahia e em 2012 por associação ao tráfico de drogas aqui no Estado”, disse.  O delegado contou que foi solicitada a prisão dela e a Justiça expediu o mandado de prisão domiciliar, porém ela está foragida.

Quanto a participação das advogadas na organização criminosa, Marcus Vinícius Souza esclarece a atuação da Polícia Civil em relação a elas. “Que fique claro que não estamos perseguindo a advocacia criminal. Existe a advocacia criminal na qual o advogado defende os direitos do seu cliente de acordo com os princípios legais e éticos e existe a advocacia criminosa na qual as pessoas se utilizam da função da advocacia para cometer crimes. São essas pessoas que são foco da nossa investigação. Nós estamos investigando criminosos travestidos de advogados. Essas pessoas devem ser presas e retiradas do convívio social para que a sociedade possa viver em paz e para que não maculem a advocacia criminal do Estado”

Além delas, havia mais 11 pessoas na organização criminosa, sendo que quatro delas integravam o núcleo familiar. “Isso porque faziam parte desse núcleo as duas irmãs e a mãe de advogada foragida”, explicou o delegado.

Ele conta que a mãe da advogada foragida, uma senhora de 63 anos, era usada como “laranja” na loja de roupas infantis, já que o estabelecimento estava no nome dela. “Ela adquiriu imóveis e um carro em seu nome, mesmo não tendo condições para isso”, afirmou.  Já a irmã da advogada foragida, uma mulher de 41 anos, também era usada como “laranja” da empresa investigada. “Ela registrou imóveis em seu nome que foram adquiridos com dinheiro proveniente do tráfico de drogas. Além disso, realizou movimentações bancárias milionárias por meio da empresa e possui grande admiração por parte de um dos líderes da organização criminosa e, por isso, tem liberdade para acessar o morro onde a organização criminosa atua a qualquer hora”, contou.

O marido da advogada de 31 anos e outra irmã dela de 43 anos também estão no esquema.

Ainda de acordo com o delegado, durante as investigações foi possível descobrir que integrantes do núcleo familiar planejavam fugir do País. “Eles conseguiram obter a cidadania italiana. Alugaram um imóvel no Rio de Janeiro para tentarem transferir o líder da organização criminosa para um presídio carioca e de lá ele conseguisse se evadir para em seguida a família fugir do Brasil”, pontuou.

Além desses, existem mais três mulheres e dois homens usados como “laranjas” no esquema. “Entre as mulheres há uma de 50 anos que já foi chefe da advogada foragida em uma empresa”, esclareceu o delegado.

O esquema conta ainda com uma mulher de 39 anos contadora e responsável pelo núcleo contábil da organização criminosa e uma mulher de 27 anos, casada com um dos integrantes de alto escalão da organização criminosa e que está preso. “ É ela quem recolhe os valores obtidos com a venda das drogas e repassa para advogada foragida que é a responsável pelo esquema. Ela simulou uma compra de R$ 32 mil em roupas na loja para lavar o dinheiro. Cabe ressaltar que ela não possui emprego e efetuou essa compra”, comentou o titular da Draco.

De acordo com o delegado os bens adquiridos pelos “laranjas” eram, posteriormente, transferidos para os integrantes do núcleo familiar da organização criminosa.

Operação Capital- Cachoeiro de Itapemirim

A equipe da 7ª Delegacia Regional de Cachoeiro de Itapemirim, por meio da Delegacia Especializada de Infrações Penais e Outras (Dipo), prendeu, em flagrante na manhã dessa terça-feira (22), um homem de 56 anos suspeito de posse ilegal de arma de fogo. A ação foi realizada em apoio à Operação Capital, deflagrada pela Draco. A prisão aconteceu em Conduru, Distrito de Cachoeiro de Itapemirim.

De acordo com o titular da Dipo, delegado Rafael Carvalho, com o suspeito foram apreendidos um revólver calibre 32 e cinco munições de mesmo calibre. “Além disso, na residência dele conseguimos apreender objetos e documentos de interesse às investigações. Ele não ofereceu resistência quanto à prisão e foi encaminhado ao plantão da Regional”, disse.

O delegado plantonista da 7ª Delegacia Regional de Cachoeiro de Itapemirim, Augusto Lago Garcia, explicou que o detido foi interrogado e assumiu a propriedade do revólver. “No entanto, ele não falou sobre a procedência dessa arma de fogo. Além disso, ele permaneceu em silêncio ao ser questionado sobre a destinação que ele deu a outras duas armas de fogo que estão registradas em nome dele, e não foram encontradas na residência”, explicou.

O suspeito foi autuado em flagrante pelo crime de posse ilegal de arma de fogo. Ele foi encaminhado ao Centro de Detenção Provisória de Cachoeiro de Itapemirim (CDPCI), onde permanece à disposição da Justiça.

 

  

Texto: Fernanda Pontes

 

Assessoria de Comunicação Polícia Civil

Comunicação Interna – (27) 3137-9024

Agente de Polícia Fernanda Pontes

imprensa.pc@pc.es.gov.br

 

Atendimento à Imprensa

Olga Samara/ Camila Ferreira

(27) 3636-1536/ (27) 99846-1111/ (27) 3636-9928 / (27) 99297-8693

comunicapces@gmail.com

Leia mais

Congresso se reúne nessa semana para deliberar sobre vetos de Bolsonaro

O Congresso Nacional deve se reunir ainda nessa semana, em sessão remota, para deliberar sobre vetos de Jair Bolsonaro. A previsão é de que...

Auxílio Emergencial já beneficiou mais de 46 milhões de brasileiros

A estimativa do Ministério da Cidadania é de que até 70 milhões de brasileiros recebam os recursos ...

Assentamento Pip Nuck recebe implementos agrícolas

Produtores rurais do Assentamento Pip Nuk, em Nova...

Mantena e chega a 112 casos confirmados de Coronavírus, incluindo 06 óbitos

A Secretaria Municipal de Saúde de Mantena divulgou nesta quarta-feira, 24/06/2020, o Boletim Informativo diário sobre quantidade de casos confirmados do coronavírus. Agora o número de...

Leia também

Justiça eleitoral confirma candidatura de Samuel Zuqui em Piúma

O candidato Samuel Zuqui é ficha limpa e...

Guarapari abraça a campanha de Gedson Merízio e Kaká Machado

O candidato a prefeito de Guarapari Gedson Merízio...

O TEMPO E A TEMPERATURA: Região Norte do país terá tempo predominantemente chuvoso, nesta terça-feira (27)

A chuva persiste nesta terça-feira (27) na forma de pancadas isoladas em toda região Norte do país. Com destaque para o Amazonas, Acre e...