Parceria foca em profissões do futuro

Parceria foca em profissões do futuro

Secretário de Educação Profissional e Tecnológica, Wandemberg Venceslau, e o presidente da ABDI, Igor Calvet Foto: MEC

O mundo do trabalho passa por uma profunda transformação em função da dinâmica da economia global. Pensando nisso, o Ministério da Educação (MEC) e a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) formalizaram uma parceria para favorecer a formulação de políticas públicas e a criação de programas e projetos voltados para a qualificação profissional de jovens e adultos brasileiros. A intenção é atender necessidades do mercado de trabalho e demandas da economia digital.

O Acordo de Cooperação Técnica, assinado nessa quinta-feira (3), prevê as seguintes entregas:

Mobilização e diálogo com o setor produtivo para alinhamento sobre cursos ofertados e as necessidades do mercado de trabalho;

Fornecimento de informações técnicas e estudos relativos às novas tendências e demandas do mercado de trabalho como subsídios para a elaboração e atualização do Catálogo Nacional de Cursos Técnicos (CNCT), Catálogo Nacional de Cursos Superiores de Tecnologia (CNCST) e guia de cursos de qualificação profissional;

Levantamento de informações junto ao setor produtivo sobre demandas profissionais atuais e futuras; e

Estudo com informações do sistema de formação educacional e do mercado de trabalho, construído a partir de diversas bases de dados, sobre a demanda profissional atual, projeções e competências emergentes.

Para o secretário de Educação Profissional e Tecnológica, Wandemberg Venceslau, a integração entre a educação profissional e tecnológica e o setor produtivo é essencial para assegurar que a formação dos estudantes seja compatível com as dinâmicas de transformação que ocorrem na economia.

Igor Calvet, presidente da ABDI, explica que é fundamental entender a demanda do setor produtivo para a formulação de políticas públicas para a qualificação profissional de jovens e adultos. “A nossa intenção é contribuir de forma efetiva para a formação qualificada de profissionais, que estejam aptos a ser absorvidos pelo mercado de trabalho”, reforça. Calvet espera ainda que a retomada da economia deva gerar novos postos de trabalho, que exigirão habilidades específicas e, por isso, os trabalhadores precisam ser qualificados desde já.

Com informações do Ministério da Educação

Leia mais

Leia também