Palestinos convocam greve geral contra agressões de Israel a Gaza


TeleSur – Sindicatos, partidos políticos e organizações civis palestinas convocaram uma greve geral em Israel e nos territórios ocupados de Jerusalém Oriental e Cisjordânia nesta terça-feira, 18 de maio, para rejeitar “o ataque israelense a Gaza”, as ordens de despejo de famílias palestinas e o aumento das agressões de judeus extremistas.

“Empresas, escolas, universidades e escritórios nos territórios ocupados” são convocados a fechar as portas depois que o partido nacionalista Fatah, liderado pelo presidente Mahmud Abaas, convocou uma greve, segundo a mídia local.

Os sindicatos de advogados, professores, a Comissão Superior de Transportes Públicos, o movimento de prisioneiros e outras organizações também emitiram declarações de apoio à proposta.

Da mesma forma, o Alto Comitê Árabe de Acompanhamento de Israel, que reúne árabes-israelenses de origem palestina (cerca de 20% da população de Israel), também participará da convocação.

Esta comunidade recebeu ataques e linchamentos de extremistas judeus na última semana em diferentes partes do país, onde muitos árabes entraram em confronto com as forças de segurança e espancaram judeus, ações pelas quais um homem de 56 anos que foi internado faleceu.

Esses eventos ocorrem uma semana após a escalada da agressão entre as milícias palestinas em Gaza e Israel, chamada a pior escalada desde 2014. Cerca de 200 palestinos morreram em Gaza e 10 pessoas em Israel desde o surto em 10 de maio.

Além disso, há tensões de longa data entre os palestinos com a polícia e os colonos israelenses na Jerusalém Oriental ocupada. No bairro de Sheikh Yarrah, onde muitas famílias palestinas correm o risco de serem despejadas em favor de colonos judeus, os protestos continuam.

Ontem, um palestino colidiu com um carro de vários agentes israelenses no bairro de Sheikh Yarrah em Jerusalém, bloqueados com cordões policiais, para evitar protestos. O agressor foi morto pela polícia israelense.

Os protestos e ataques contra as forças israelenses aumentaram na semana passada também na Cisjordânia, onde cerca de 15 palestinos foram mortos por fogo do Exército israelense ou das forças de segurança.

Diante do fluxo de bombardeios e da impossibilidade de organizações humanitárias levarem ajuda à população da Faixa de Gaza, o Comitê Internacional da Cruz Vermelha solicitou acesso à área na segunda-feira.

“Não há tempo a perder, pedimos a todas as partes relevantes que protejam os civis de forma proativa, reduzam a tensão e nos permitam ajudar as pessoas”, disse o diretor-geral do CICV em um comunicado, Robert Mardini.

A população ferida mal consegue acessar hospitais e outros locais essenciais devido aos contínuos ataques aéreos, visto que estradas e edifícios estão devastados.

“A intensidade do conflito é algo que não vimos antes: ataques aéreos ininterruptos na densamente povoada Gaza e foguetes que atingem grandes cidades em Israel. Como consequência, crianças são mortas em ambos os lados”, denunciou Mardini.

O órgão que observa de perto tudo o que é causado pelos confrontos, explicou que entrou em contato com ambas as partes em conflito para mostrar a necessidade de respeitar suas obrigações nos termos do Direito Internacional Humanitário.

“Os atores em campo devem interromper esse ciclo de violência. As normas são totalmente claras: os civis devem ser protegidos em todos os momentos. Infelizmente, não é o caso hoje”, enfatizou Mardini.


Leia mais

Leia também