Países enxergam Brasil com desconfiança em relação à preservação ambiental, diz governador do Espírito Santo • SiteBarra

Países enxergam Brasil com desconfiança em relação à preservação ambiental, diz governador do Espírito Santo

Participando da 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP26), que acontece na Escócia, o governador Renato Casagrande afirma que o Brasil ainda é visto com desconfiança por outros países no que diz respeito aos compromissos com a preservação do meio ambiente.

Em entrevista a Globo News na manhã desta quinta-feira (4), Casagrande, que é presidente do Consórcio Brasil Verde, uma instância do Fórum de Governadores composta por 22 governadores brasileiros, afirma que apesar de o Brasil ter assumido compromissos importantes durante a Conferência, tais como o de zerar o desmatamento ilegal em 2028 e o de redução das emissões de carbono em 50% até 2030, o histórico de afastamento do governo federal diante do tema ainda prejudica a imagem do Brasil internacionalmente. Por isso, agora, “as pessoas estão querendo ver para crer”.

“O Brasil fez anúncios importantes, mas sofre de um problema grave pelo afastamento do governo nesses últimos três anos. O negacionismo do governo federal com relação a esse tema passou uma imagem muito ruim para o mundo. O aumento do desmatamento, das queimadas criou um machucado, uma cicatriz muito forte na imagem do Brasil. Então, o Brasil fez o correto em assumir compromissos, mas as pessoas estão esperando efetivamente o que vai acontecer. É preciso saber quais serão as práticas daqui para frente”, disse o governador do Espírito Santo.

Governador Renato Casagrande participa da Cop-26, na Escócia — Foto: Reprodução/Governo do ES

Governador Renato Casagrande participa da Cop-26, na Escócia — Foto: Reprodução/Governo do ES

Ainda segundo Casagrande, a partir de agora, as iniciativas para a preservação ambiental deverão ser um compromisso não só do governo federal, mas também dos governos estaduais, empresas e outras entidades. Segundo ele, os governadores que fazem parte do Consórcio deverão criar seus planos de neutralidade de carbono.

“Também temos responsabilidades nesse trabalho. Nós governadores, nós prefeitos, nós do setor empresarial, nós cidadãos. Não é fácil alcançar a neutralidade até 2050 porque nossa economia é baseada em combustíveis fósseis, mas temos oportunidades. Se anteriormente se dizia que isso iria travar a economia dos países em desenvolvimento, hoje temos uma grande oportunidade, especialmente se for regulamentado o mercado de carbono, que também está sendo discutido no Brasil”, disse.

Em sua agenda de compromissos desta quinta-feira (4), Casagrande tem um encontro com o príncipe Charles. O herdeiro do trono da Inglaterra e fundador da Iniciativa de Mercados Sustentáveis (SMI) para fomentar investimentos privados na economia de baixo carbono.

Durante o encontro, que reunirá outros participantes brasileiros, Casagrande falará sobre os projetos que estão sendo realizados no Brasil na área de mudanças climáticas.

Além disso, o governador também deverá se reunir com o ministro do Meio Ambiente da Chia e com o secretário-adjunto do enviado presidencial dos Estados Unidos para o Clima, John Kerry.