Olimpíadas de Tóquio: Paulo André escolheu atletismo após descobrir álbum de fotos do pai

Por Elton Ribeiro, TV Gazeta

Carlos Camilo começou a correr quando entrou para o Exército, com 18 anos. Participou do mundial de atletismo em 1986, viajou, conquistou sonhos, mas faltou um: disputar uma Olimpíada.

Isso quase aconteceu em 1984, nos Jogos Olímpicos de Los Angeles, nos Estados Unidos. Uma lesão, porém, o tirou da competição 20 dias antes da viagem.

“A gente estava convocado, mas eu tive uma lesão no posterior 20 dias antes da competição. Eu tentei recuperar, mas não deu”, contou o ex-atleta e treinador de atletismo Carlos Camilo.

Mesmo assim, ele continuou correndo até os 32 anos, pouco tempo antes do filho Paulo André, um dos velocistas que representam o Brasil nas Olimpíadas de Tóquio, nascer.

Pai inspirou o filho Paulo André a seguir na carreira como velocista — Foto: Ari Melo/TV Gazeta

Pai inspirou o filho Paulo André a seguir na carreira como velocista — Foto: Ari Melo/TV Gazeta

Para não pressionar o filho Paulo André a seguir na mesma carreira, Camilo não contou do passado de atleta para ele.

Durante vários anos, o filho preferiu o gramado às pistas do atletismo. A rapidez do garoto em campo, no entanto, garantiu ao adolescente o apelido “mclaren” – em alusão a montadora de carros de Fórmula 1.

Paulo André treinou no Espírito Santo antes de Jogos Olímpicos de 2020 — Foto: Ari Melo/TV Gazeta

Paulo André treinou no Espírito Santo antes de Jogos Olímpicos de 2020 — Foto: Ari Melo/TV Gazeta

Foi quando o pai percebeu que o filho tinha talento para ser velocista e o incentivou a correr uma competição estudantil de atletismo. Paulo André teve um resultado melhor do que outros adolescentes que já treinavam na modalidade.

A carreira esportiva de Paulo André mudou de vez quando encontrou um álbum da família com algumas fotos de Camilo em competições internacionais. A pista de atletismo virou a nova paixão do garoto.

“Ele me deu bronca. Disse que eu nunca tinha falado nada. Cara, eu acho que você deve escolher o seu futuro. Se eu te mostrasse antes, você poderia gostar, não gostar, eu deixei praticar para ter o gosto do que eu fui. Aí pronto, depois do álbum que ele me viu no pódio, ali ele se encantou”, contou Camilo.

Álbum de fotografia de pai inspirou carreira de Paulo André no atletismo

Álbum de fotografia de pai inspirou carreira de Paulo André no atletismo

O velocista de 22 anos ganhou medalha de prata nos 100 metros rasos e ouro no revezamento 4×100 rasos pelo Brasil nos Jogos Pan-Americanos de Lima, em 2019.

Paulo André disputa os 100 metros rasos neste sábado (31), às 7h45 (horário de Brasília). Ele também compete pelo Brasil nos 200 metros rasos e no revezamento 4×100. Em vídeo enviado para a TV Gazeta, o capixaba pediu a torcida dos conterrâneos.