O marasmo

Compartilhe

 

Há muitos anos, escrevendo sobre a ineficiência da administração pública brasileira, assim registrei: “Em 2007 o Tribunal de Contas da União identificou 400 obras paralisadas no país após terem consumido R$ 2 bilhões – e este foi um avanço: em 1995 eram 2.214 obras inacabadas que já tinham custado R$ 15 bilhões de verbas públicas”.

Avançamos no tempo. Chegamos a 2021. E eis o quadro atual, pela palavra do “Sputnik Brasil”: “Em relatório de junho de 2021, o Tribunal de Contas da União (TCU) identificou 7.862 contratos de obras paralisadas após a análise de 27.126 contratos encontrados nos bancos de dados do país. Segundo o tribunal, essas obras totalizam o valor de R$ 15,78 bilhões”.

Absolutamente pasmo, decidi esquadrinhar este relatório. Deparei-me com dados inacreditáveis. Confira-se: “No diagnóstico realizado em abril de 2018, o percentual de obras paralisadas em relação às em execução era de 37,50%. No presente diagnóstico esse valor é de 29%. Assim, em relação ao primeiro diagnóstico, data-base 2018, o atual cenário apresenta menos obras paralisadas no que tange à quantidade de obras e ao percentual de obras paralisadas”.

Não fique alegre achando que o quadro está “menos pior”. Pode ser que não esteja: “essa redução da quantidade de contratos paralisados pode ter sido impactada pela forma que os bancos de dados passaram a ser gerenciados.  Essa situação é perceptível pela diferença do total de contratos analisados nos dois diagnósticos. No primeiro diagnóstico foram analisados 38 mil contratos existentes à época, enquanto no atual diagnóstico foram verificados em torno de 27 mil contratos”.

Como prevenir-se tamanho descalabro? Com a palavra o próprio Tribunal de Contas da União: “A utilização de banco de dados pulverizados na administração pública, da forma como é feita ainda hoje, tem se mostrado ineficiente para a gestão dos recursos públicos. Isto porque a ausência de um Cadastro Geral de Obras Públicas prejudica a visão global da carteira de projetos do governo federal e dificulta a priorização de investimentos”.

Sim, este cenário – absolutamente histórico, como vimos – é o da União. Fico a pensar no dos Estados e Municípios. E em uma frase do genial administrador Peter Drucker: “Não existem países subdesenvolvidos. Existem países sub-governados”.

Pedro Valls Feu Rosa

O marasmo

Pedro Valls Feu Rosa

Leia também

Poços de Caldas, em Minas Gerais, poderá captar até R$ 26,3 milhões para obras de mobilidade urbana

A cidade de Poços de Caldas, em Minas Gerais, vai poder financiar até R$ 26,3 milhões em recursos...

Projeto Avivar realizou atividades em Vargem Alegre nesta sexta-feira, 24; hoje tem zumba na praça

O Projeto Avivar, implantado há quatro meses em Barra de São Francisco inaugurou mais um núcleo na noite desta...

CEARÁ: Mesmo com queda em 20 anos, taxa de mortalidade infantil no estado ultrapassa média nacional Brasil

Apesar de ter diminuído em 20 anos, a taxa de mortalidade infantil no Ceará ainda é maior do...

EUA: maior oferta de diesel renovável não compensará perda no petróleo

Uma enxurrada de usinas de diesel renovável que devem entrar em operação nos Estados Unidos nos próximos três...

Treinador de escolinha de futebol dizia ser ‘Anjo Gabriel’ para abusar de alunos no Espírito Santo, afirma polícia

  Homem de 47 anos foi preso nesta terça-feira (21), em Cachoeiro de Itapemirim — Foto: Divulgação/PCES Um treinador de...

Sport empata com Brusque e perde chance de retornar ao G4 da Série B

Jogando em casa, na Ilha do Retiro, o Sport Club do Recife não saiu do 0 a 0...

Corinthians atropela Santos e abre boa vantagem na Copa do Brasil

O Corinthians abriu ótima vantagem no confronto diante do Santos pelas oitavas de final da Copa do Brasil....