O FIM DE SEMANA NA MANSÃO DOS MEUS SONHOS

A família Guerra esta radicada em Mantenópolis desde o inicio do século passado. Vitalino Guerra ali chegou e aprofundou raízes, local onde permaneceu até o seu falecimento.

Em busca de vida melhor alguns dos seus herdeiros partiram para terras distantes nas décadas sessenta e setenta. Um dos Guerra, assim como a ovelha perdida, saiu do arraial e foi se perder nas ruas e vielas de Belo Horizonte. Aquele Guerra lançou mão dos atributos que a natureza lhe deu e saiu à caça. Também fazia uso do crachá que recebeu quando trabalhou na Rede Globo, fazendo lá não sei o quê.

O meu tio conquistou o coração de uma empregada domestica. A bela rapariga trabalhava em uma mansão cravada na grande capital mineira. Qual a mulher que não se arrisca pelo seu bem amado? Pois é. Um dia os patrões endinheirados da moça viajaram e deixaram com ela as chaves para conferir se tudo ficaria como haviam deixado. Aproveitando da ocasião a namorada do titio resolveu leva-lo para uma excursão ao interior daquela grande habitação. O conquistador desgarrado do aprisco não se fez de rogado e aceitou o convite.

Dentro da casa o Guerra ficou encantado com a adega e o bar do homem rico. Quanta coisa boa aqui e eu lá fora bebendo fernet, jurubeba leão do norte, vinho casal de velhos e a pratinha recebida de Cuparaque. Os seus olhos brilhavam ao ver as garrafas de Whisky Royal Salute 21 anos Whisky; Chivas Regal 18 anos; Whisky Passport; Whisky Natu Nobilis; Whisky Johnnie Walker Black Label 12 Anos, etc.. O homem entrou com gosto nos destilados, embora o seu forte fosse a cerveja gelada.

Agindo com prudência, no intuito de preservar o bom emprego da namorada, o brilhante cantor de Casinha Branca no music festival de Mantenópolis, cautelosamente abriu as garrafas de whisky, preservando os selos. Depois foi até ao Supermercado Balaio e comprou várias garrafas de whisky e conhaque baratos e encheu as garrafas vazias, pondo uma a uma no local de onde foram tiradas.

O habitante em casa alheia se esponjou no confortável sofá. Ligou a televisão. Naquele dia o irmão de papai deu até para ouvir musica clássica. Pegou o bolachão de vinil e colocou na vitrola a oitava sinfonia de Ludwig van Beethoven. Depois de um final de semana na mansão com a sua ultima conquista, o belo rapaz foi obrigado a deixar o queijo importado e voltar ao queijo minas e ao pão com mortadela.

Texto: Creumir Guerra
Creumir Guerra é Promotor de Justiça no Estado do Espírito Santo

Veja mais sobre Creumir Guerra

Leia mais

Leia também