O DIA EM QUE EXPULSEI MEU IRMÃO DA SALA DE AULA

Eu era professor do curso Técnico em contabilidade, na Escola Job Pimentel, em Mantenopolis-ES. No terceiro ano do curso estudava o meu irmão, com quem dividia o quarto na casa dos nossos pais. Chegou o dia da prova e eu distribui o formulário com as questões a serem respondidas. O meu irmão era bom aluno e sempre obtinha boas notas. Neste dia ele fez a prova com muita rapidez, entregou a folha resposta e foi embora.  A primeira questão da aludida prova foi mal formulada e eu fui advertido por um aluno. Reformulei a pergunta e avisei a todos da mudança de ultima hora.

O magistério não era a minha principal atividade e precisava arranjar tempo para corrigir as provas, razão pela qual sempre demorava a apresentar o resultado aos alunos e a secretaria da escola. Usei o horário de almoço e corrigi as provas dos alunos do terceiro ano. A prova de meu irmão continha um erro na resposta ao primeiro questionamento e sua nota foi oito. Normalmente ele tirava dez em contabilidade, pois ele já era profissional na área e continua sendo até os dias de hoje.

A folha resposta da prova com a nota foi entregue aos alunos. Alguns ficaram alegres e outros nem tanto, mas todos conformados com o resultado obtido, com apenas uma exceção: o meu irmão. Ele vem bufando em minha direção e pergunta:

– Por que você me deu só oito?

– Você errou a primeira questão.

– Errei nada. Foi você quem modificou a pergunta quando eu já tinha entregue a prova. O certo é você excluir esta questão da minha prova e considerar só as outras, que respondi corretamente.

-Nada disso. A sua nota é oito e pronto.

Na seqüência meu parente em segundo grau na linha colateral bradou que oito ele não aceitava, fez uma buchinha da folha de prova e jogou na minha cara. Expulsei imediatamente o aluno abusado e anotei zero como sendo a sua nota.

Quando cheguei em casa o meu pai me disse que eu estava errado. Se realmente você alterou a pergunta após a saída do aluno, a questão deveria ser considerada anulada para ele e avaliado apenas as demais, falou a voz da experiência. Realmente o Senhor esta certo, porém, após ele jogar a buchinha de papel na minha cara eu não poderia voltar atras, perderia completamente a autoridade diante da turma inteira.

Texto: Creumir Guerra
Creumir Guerra é Promotor de Justiça no Estado do Espírito Santo

Veja mais sobre Creumir Guerra

Leia mais

Semáforo cai em calçada e causa transtorno para pedestres em Vitória

A situação provocou transtornos para pedestres e motoristas que passaram pelo local. Prefeitura enviou uma equipe para resolver o problema. Por Aurélio de Freitas, TV...

Coronavírus levou 300 milhões de estudantes a deixarem de ir à escola, diz Unesco

Pelo menos 300 milhões de estudantes estão sem aulas em todo o mundo por conta do surto do novo coronavírus, de acordo com estimativa...

Mais facilidade na distribuição de medicamentos pelo País

– Foto: Correios Com o apoio logístico dos Correios Log Farma, instituições públicas e...

Sedu e Seag debatem Chamada Pública Escolar com cooperativas e associações nesta quinta-feira (17)

A Secretaria da Educação (Sedu), por meio da Subgerência de Alimentação Escolar, em parceria com a Secretaria da Agricultura, Abastecimento. Aquicultura e Pesca (Seag),...

Leia também

Nota de Falecimento – ADÃO RODRIGUES LEMES

A prefeitura de Barra de São Francisco divulgou nesta terça-feira (29) uma nota de pesar pelo falecimento do servidor aposentado Adão Rodrigues Lemes. "Com pesar,...

Cão policial encontra droga enterrada em Ecoporanga

Policiais Militares do 11º Batalhão apreenderam drogas enterradas com auxílio do cão policial Jayson. O fato ocorreu na noite desta segunda-feira (28), no município...

Governo lança cartilha de incentivo à adesão e fomento de políticas públicas familiares

O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH) lançou nesta segunda-feira (28) uma cartilha para incentivar a adesão e o fomento...