Nova versão do catálogo de cursos técnicos orienta na escolha profissional

Nova versão do catálogo de cursos técnicos orienta na escolha profissional

A nova versão, homologada pelo Ministério da Educação, substitui a edição de 2014 Foto: Agência Brasil

Fazer um curso técnico profissionalizante pode ser uma forma de ingressar mais rápido no mercado de trabalho. E escolher esse curso ficou mais fácil com a nova versão do Catálogo Nacional dos Cursos Técnicos. O documento está disponível na internet e conta com 215 cursos de educação profissional técnica de nível médio distribuídos em 13 diferentes eixos tecnológicos.

A nova versão, homologada pelo Ministério da Educação, substitui a edição de 2014. “Temos que trabalhar para que possamos incluir um número maior de pessoas no processo de formação da educação tecnológica e isso é extremamente importante para contribuir com o desenvolvimento econômico e também para que esses profissionais possam acompanhar todo o processo de transformação que o mundo está vivenciando”, afirmou a diretora de políticas e regulação de educação profissional e tecnológica da secretaria de Educação Profissional e Tecnológica, do Ministério da Educação, Marilza Machado Gomes Regattieri.

“A formação técnica ajuda o país a promover sua competitividade, avançar no desenvolvimento econômico, mas, ao mesmo tempo, também é central para que as pessoas possam acessar formações que, de fato, estejam alinhadas com as transformações, com essa dinâmica”, ressaltou.

Informações detalhadas

Ao entrar no site do catálogo, o usuário encontra os eixos tecnológicos. Ao acessá-los, pode selecionar os cursos e encontrar as informações sobre os conhecimentos necessários para aquela profissão, as atividades que o profissional desenvolverá, carga horária mínima do curso, pré-requisitos para ingresso, campo de atuação e instituições ofertantes, entre outros.

No eixo Ambiente e Saúde, por exemplo, o usuário encontrará o curso Técnico em Agente Comunitário de Saúde e será informado que esse profissional é habilitado para acompanhar e orientar, por meio de visita domiciliar, as pessoas em situação de vulnerabilidade social e portadoras de doenças crônicas e agravos. E também saber que a duração estimada do curso é de um ano e meio e ele não poderá ser feito na modalidade a distância.

O catálogo traz ainda informações sobre a legislação de cada curso e os itinerários formativos. Também informa os cursos que mudaram de nome em relação às edições anteriores do catálogo.

O documento tem indicações ainda para orientar quanto ao prosseguimento dos estudos, como explicou Marilza Machado. “Isso ajuda as instituições de ensino a orientarem seus programas, seus cursos de formação e, ao mesmo tempo, também aos estudantes sobre depois que fizer o técnico, quais são as opções para continuar estudando, se uma especialização técnica ou um curso superior de tecnologia.”

Diplomas

Para os estudantes que já ingressaram nos cursos técnicos neste ano e nos anos anteriores, os diplomas serão emitidos com validade nacional nos termos das versões anteriores à nova edição do Catálogo Nacional dos Cursos Técnicos.

Acesse o Catálogo Nacional dos Cursos Técnicos

Leia mais

Leia também