Nova política chinesa de 3 filhos provoca ceticismo e dúvidas sobre custos


(Reuters) – A decisão da China de permitir que as famílias tenham até três filhos foi recebida nesta terça-feira (01) com ceticismo, e nas redes sociais surgiram expressões de dúvida sobre a diferença que pode fazer e pedidos de detalhes sobre o que as “medidas de apoio” incluirão.

Na segunda-feira (31), a China anunciou que está suspendendo o limite de dois filhos na tentativa de incentivar mais nascimentos semanas depois de dados de um censo confirmarem o envelhecimento rápido e um declínio de fertilidade que coloca o país no rumo de um encolhimento de sua população, a maior do mundo.

A grande mudança de política incluirá medidas de apoio “propícias à melhoria da estrutura populacional de nosso país”, disse a agência de notícias oficial Xinhua.

“Não entendo bem. Qual é o significado de medidas de apoio?”, indagou um usuário do Weibo em uma postagem que recebeu mais de 128 mil curtidas e se tornou o comentário mais popular sobre a postagem da Xinhua sobre a política de três filhos.

Participantes de redes sociais citaram os altos custos de se criar filhos na China urbana, onde a moradia pode ser cara e crianças são submetidas a instrução particular em acréscimo ao ensino público em um sistema educativo altamente competitivo, como desestímulos a filhos.

As mulheres do país já enfrentam uma disparidade de gênero crescente em termos de participação na mão de obra e remuneração, e vêm sua parcela de cuidados com os filhos crescer devido ao declínio da ajuda estatal, de acordo com um relatório do ano passado do Instituto Peterson de Economia Internacional.