No Peru, apoiadores de Castillo vão às ruas pedir respeito aos resultados eleitorais


Brasil de FatoMilhares de apoiadores do candidato virtualmente vitorioso à Presidência do Peru, Pedro Castillo, foram às ruas de Lima no último sábado (12) para repudiar as acusações sem provas de supostas fraudes no pleito feitas por Keiko Fujimori e pedir que os resultados da votação sejam respeitados. 

Em concentração em frente à sede do partido Peru Livre na capital peruana, movimentos sociais e militantes da legenda defenderam a democracia e a vantagem legítima que Castillo possui na apuração. 

O professor e sindicalista participou do ato e pediu que a vontade do povo nas urnas seja respeitada. “Que a mobilização de hoje expresse ao Peru e ao mundo nossas esperanças de uma mudança para um país mais justo”, disse Castillo. 

O candidato também mencionou sua rival de extrema direita e afirmou que, “diante daqueles que querem nos provocar, ofereçamos nossa alegria e respeito”.

A liderança do Peru Livre ainda pediu que as autoridades eleitorais do país “não prolonguem mais” a confirmação dos resultados. 

Até às 10h deste domingo, a apuração alcançava 99,935% das urnas contabilizadas, colocando Castillo como virtual presidente eleito do país. Segundo o jornal La Republica, existem 270 pedidos de recursos de atas de votação que estão em mãos do Júri Nacional Eleitoral (JNE), e os resultados oficiais só serão publicados quando o órgão terminar de processar esses pedidos. 

Apoiadores de Castillo permaneceram em frente ao prédio do JNE neste domingo, pedindo transparência e aguardando a proclamação oficial da vitória do candidato de esquerda. 

Keiko volta a falar em ‘fraude’ 

A candidata de extrema direita Keiko Fujimori voltou a falar neste sábado (12) em fraude nas eleições, mesmo sem apresentar provas das acusações. A conservadora chegou a dizer que a “esquerda internacional” está tentando modificar o resultado do pleito.

Após as declarações, Keiko participou de uma marcha a seu favor em Lima e defendeu os pedidos de recurso que apresentou ao JNE. “O que não pode acontecer é que escondam todas as falcatruas que fizeram nas mesas”, disse. 

Embora insista no discurso de fraude, Keiko não apresentou provas das suas acusações e foi desmentida por observadores internacionais que acompanharam a eleição. 

Manobra para reverter vantagem de Castillo 

As manifestações para defender os resultados da eleição ocorrem depois da Justiça Eleitoral ter voltado atrás de uma decisão que poderia retirar a vantagem de Castillo na reta final da apuração. 

Na última sexta-feira (11), o JNE havia decidido, contrariando a legislação peruana, prorrogar o prazo para recebimento de recursos que poderiam anular votos das eleições. Após várias reações negativas e condenações por parte do partido Peru Livre, o JNE voltou atrás e, por três votos a um, suspendeu a medida. 

Apesar de legalmente oferecer a possibilidade para ambos os partidos apresentarem novos recursos, a ação poderia beneficiar Fujimori, que está perdendo a eleição e já havia anunciado, na noite do mesmo dia em que o prazo se esgotou, que entraria com recursos para tentar anular 200 mil votos por uma suposta fraude para a qual, até agora, não obteve nem apresentou provas.

Inscreva-se no canal Cortes 247 e saiba mais:

 

(Foto: Perú Libre/Reprodução)

Leia mais

Leia também