Nitrato de amônio na agricultura: uso do fertilizante não oferece perigo

Fertilizantes usados na agricultura têm como composição o nitrato de amônio, a mesma substância que causou a grande explosão em Beirute, no Líbano, na última semana. O composto é uma reação entre amônia e ácido nítrico que oferece às plantas o nitrogênio, nutriente mais absorvido pelas plantas e essencial para o crescimento e produção. O nitrato de amônio também apresenta elevada solubilidade em água e sua utilização é mais comum nas culturas fertirrigadas, uma técnica de adubação em que o fertilizante é diluído na água de irrigação.

Apesar do grande poder de destruição apresentado em Beirute, o uso e armazenamento corretos do nitrato de amônio no setor agrícola não oferecem perigo. O pesquisador do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper), engenheiro agrônomo e doutor em Solos e Nutrição de Plantas, André Guarçoni, afirma que o nitrato de amônio usado nas propriedades rurais capixabas apresenta baixos riscos devido ao tratamento industrial recebido, sendo estável e seguro em condições normais.

Em relação ao armazenamento correto, o engenheiro agrônomo aponta  cuidados importantes. “O nitrato de amônio deve ser armazenado com cuidado em lugar seco, fresco e arejado, abrigado das intempéries, longe de produtos inflamáveis e de possíveis faíscas. O armazenamento do fertilizante em conjunto com produtos não fertilizantes deve ser evitado”, destaca André Guarçoni.

Considerado como um bom fertilizante nitrogenado para a nutrição das plantas, o nitrato de amônio é usado em diversas culturas do Espírito Santo. Devido ao seu baixo risco, é vendido livremente em lojas do setor agropecuário, principalmente como fertilizante simples ou em formulações, que apresentam ainda menor risco. No Brasil, o fertilizante é usado há aproximadamente 50 anos, apresentando baixíssima possibilidade de causar explosão.

O fertilizante é um produto não inflamável, no entanto, o nitrato de amônio utilizado em análises laboratoriais e para a fabricação de explosivos é mais concentrado e menos estável, sendo minuciosamente controlado pelo Exército Brasileiro, pois apresenta risco à população, como afirma o pesquisador.

“Como fertilizante, o nitrato de amônio praticamente não apresenta nenhum risco. Contudo, se exposto ao fogo direto, pode aumentar as chamas e gerar gases tóxicos. O maior risco é se o fertilizante for contaminado com um material combustível e estiver sob fogo extremo, em local fechado e armazenado em grande quantidade. Nesse caso, pode, sim, ocorrer explosão, mas apenas se houver a combinação perfeita desses fatores”, explica André Guarçoni.

O pesquisador ressalta ainda que o Incaper conta com uma equipe de técnicos qualificados que orientam e recomendam o uso e a armazenagem corretos do nitrato de amônio.

Texto: Andreia Ferreira

 

Leia mais

CE: Pesquisadores usam a criatividade no desenvolvimento de equipamentos de baixo custo para o combate à Covid-19

Em meio à pandemia da Covid-19, o governo do estado do Ceará financia projetos de equipamentos essenciais no combate à doença. Entre eles, está...

Esforço coletivo faz parte da prevenção da dengue no Espírito Santo

Com o aumento no número de casos de dengue no Espírito Santo, a população precisa entender...

Leia também

Projeto de reconstrução do Casarão do Barão de Aymorés será apresentado ao Governo do Estado

Engenheiro idealizador do projeto é bisneto do Barão de Aymorés e buscou parte da inspiração para o planejamento do trabalho, através de lembranças de...

‘Corrupção deve ser praticada’, diz candidato em debate

Uma gafe cometida pelo deputado estadual Wallber Virgolino...

Vacina da Pfizer contra Covid-19 entra na última fase de testes clínicos

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou que as empresas farmacêuticas Pfizer e BioNTech prossigam para a fase 3 do estudo clínico da...

Prazo para cadastrar barragens está acabando em Goiás

O prazo estabelecido pelo Governo de Goiás para cadastramento de barragens está chegando ao fim. Por isso, até o dia 30 de setembro deste...