‘Não estamos em uma fase de recuperação’, diz secretário de Saúde do Espírito Santo sobre o Coronavírus

Em coletiva de imprensa, Nésio Fernandes disse que algumas regiões e municípios do Estado podem ter estabilização nos números de casos, mas, em outros lugares, o número de infectados continua crescendo.

Em coletiva de imprensa realizada nesta terça-feira (16), o secretário Estadual da Saúde, Nésio Fernandes, declarou que o Espírito Santo não está próximo da estabilização no número de novos casos da Covid-19.

“Não estamos em uma fase de recuperação, ainda temos uma quantidade muito grande de casos crescendo em Vila Velha e Cariacica, e temos um crescimento significativo em relação ao interior do estado”, apontou o secretário.

Nésio destacou, no entanto, que dois municípios apresentam uma tendência de estabilização no número de novos casos de infecção pelo novo coronavírus.

“Nos municípios de Vitória e Serra, há tendência à estabilização da curva de casos. No entanto, o resultado final da soma de casos, também com outros municípios da Grande Vitória, aponta uma tendência de crescimento no número de casos”, alertou, novamente.

O secretário ainda negou que o Estado é refém da rede particular de saúde e garantiu que, com o aumento do número de leitos nos hospitais já existentes, a rede pública vai sair da pandemia com o sistema de UTI reforçado.

Inquérito

O secretário apontou, ainda, que com a testagem da Covid-19 nos domicílios feita pelo Governo do Estado, o chamado inquérito sorológico, será possível avaliar o comportamento da doença no Espírito Santo sem que seja necessário comparar a situação da pandemia no estado com a de outros países.

“Não precisam mais projeções com relação a outros países. Já sabemos o comportamento da pandemia no nosso estado, inclusive o inquérito sorológico aponta a velocidade de transmissão da doença, o crescimento de forma exponencial dentro do nosso clima, com a densidade demográfica do estado. Estamos no quarto ciclo de coleta no inquérito sorológico. Vamos traçar uma curva de quatro pontos e reconhecer qual o real comportamento da pandemia”, declarou.

Ainda segundo Nésio, um novo inquérito deve acontecer nos meses de julho e agosto para continuar mapeando a doença no Estado.

Com base nos dados das três coletas já feitas, o secretário afirmou, mais uma vez, que o Estado está distante de alcançar a estabilização da doença.

“Há teses de que o pico pode ocorrer ao alcançar 30% de prevalência da doença [presença na população] nos territórios. Hoje esse número gira em torno de 7,5 a 9%. Estamos distantes do percentual para alcançar um platô espontâneo da curva de casos”, pontuou.

Interação social

Diante da tendência de aumento no número de casos, Nésio enfatizou que a Matriz de Risco não será modificada e que atividades sociais deveriam se tornar mais restritas.

“Podemos ter uma tendência de aumento no número de casos, ainda que em alguns e municípios e regiões possa haver estabilização. Nós não estamos no momento de modificar a aplicação da Matriz de Risco, nem restringir mais um grande número de atividades sociais”, considerou.

Números

O Espírito Santo registrou, até esta terça-feira (16), 1.132 mortes por Covid-19. O número de casos confirmados chegou a 29.030. Os dados foram divulgados na plataforma Painel Covid-19, do Governo do Estado.

Na comparação com os dados divulgados nesta segunda-feira (15), o aumento é de 45 mortes e 1.378 novos casos da doença. Até o momento, 15.252 pessoas estão curadas e 76.541 testes foram feitos.

 

Leia mais

Leia também