Na reta final, relator no Senado da Reforma Tributária vai resolver sobre criação de imposto estadual

Compartilhe

O artigo que permite aos estados criar uma contribuição sobre bens primários e semielaborados será um dos nós que o relator da proposta no Senado, Eduardo Braga (MDB-AM), terá de desatar nos próximos dias que antecedem a entrega de seu relatório à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). O tributo foi incluído de última hora no texto da reforma tributária, aprovado pela Câmara dos Deputados.

O dispositivo opõe governadores desejosos por uma fonte de arrecadação própria  — já que o ICMS sai de cena para entrar o IBS, que será partilhado com os municípios  — e o setor produtivo, em especial a agropecuária e as indústrias de mineração e de petróleo, que denunciam o aumento da carga tributária. 

Um dos principais argumentos de especialistas contrários à criação do tributo é o de que ele contraria os princípios básicos que a reforma almeja, como a simplificação do atual modelo. A proposta prevê que os cinco principais impostos sobre consumo (IPI, PIS, Cofins, ICMS e ISS) sejam substituídos por três (CBS, IBS e IS).

Se a contribuição estadual for aprovada, o país vai trocar cinco por quatro tributos, reduzindo o ganho com a simplificação. É o que explica Eduardo Natal, mestre em direito tributário pela Pontifícia Universidade Católica (PUC) de São Paulo. “A questão da tributação dos semielaborados e primários pelos estados contraria a lógica dos tributos que estão sendo criados para simplificar o sistema”, avalia. 

Além disso, o imposto dos estados vai na contramão da tributação no destino  — onde o produto é consumido — encarece as exportações e traz de volta o problema da cumulatividade ao longo da cadeia de produção, explica Rinaldo Mancin, diretor de Relações Institucionais do Instituto Brasileiro de Mineração, o Ibram. 

“O foco da reforma é simplificação, reduzir o custo sobre exportações, tributar de uma forma mais racional, tributar no destino e não na origem. O artigo é o contrário de tudo isso. É um jabuti [artifício que inclui um item estranho à proposta original] que foi inserido para tentar constitucionalizar taxas estaduais que vêm sendo cobradas”, afirma. 

Como o Brasil 61 mostrou, a bancada do agro no Congresso Nacional articula um acordo para barrar o imposto da versão final do texto<\/a>. Uma das propostas na mesa de negociações é permitir que apenas os estados que hoje têm um tributo  semelhante a este que se pretende criar possam mantê-lo. Os demais entes ficariam proibidos de instituir novo tributo. 

Ex-ministra de Agricultura, a senadora Tereza Cristina (PP-MS) já se posicionou. “É um dos pontos polêmicos da reforma. Nós estamos discutindo ele, tem várias versões e a gente quer chegar a um texto que contemple o agro. Nós não podemos aumentar o tributo sobre o agro porque ele afeta diretamente o consumidor final, que são todos os brasileiros”, pontua. 

Parecer

Antes prevista para a próxima quarta-feira (4), a entrega do relatório da reforma no Senado foi adiada para o dia 20 de outubro. O presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (PSD-MG) pretende pautar o texto para votação até o fim do mês de outubro. Se aprovado com alterações, o projeto volta para discussão na Câmara dos Deputados. 

No Senado, setor produtivo pede exclusão de imposto estadual da reforma tributária<\/a>

Tributo estadual sobre petróleo vai afastar investimentos, afirma presidente do IBP<\/a>

Setor produtivo critica proposta com aumento de tributação   Foto: Oleksandr Ryzhkov/FreepikSetor produtivo critica proposta com aumento de tributação Foto: Oleksandr Ryzhkov/Freepik

Leia também

Região Norte: pescadores atingidos pela seca podem solicitar seguro-defeso nesta quarta-feira (6)

Os pescadores da Região Norte que sobrevivem da pesca artesanal, durante o período que não puderem realizar suas...

Motoristas que não realizarem exame toxicológico serão multados a partir de janeiro

Os motoristas das categorias C, D e E poderão ser multados a partir do dia 28 de janeiro...

Preço da soja caiu nesta sexta-feira (8)

A saca de 60 quilos de soja custa R$ 137,95, nesta sexta-feira (8), em leve baixa de 0,08%...

Famílias de baixa renda poderão receber de volta parte do valor pago de ICMS

    Consumidor em feira livre — Foto: BBC Famílias de baixa renda do Espírito Santo que estão inscritas no Cadastro...

Falta de investimento em seguro rural compromete desempenho do agronegócio

Uma análise divulgada pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) mostra que a evolução do agronegócio...