Municípios poderão suspender pagamento de contribuições previdenciárias

Governo publica portaria que regulamenta a suspensão de pagamentos aos RPPS municipais

Suspensão não afasta a responsabilidade dos municípios pelo pagamento dos benefícios previdenciários devidos aos servidores.
– Foto:
Arquivo/Agência Brasil

Os municípios que possuem Regimes Próprios de Previdência Social (RPPS) poderão suspender o pagamento de contribuições previdenciárias patronais e as prestações de acordos de parcelamento. A medida, prevista na Lei Complementar nº 173/2020, foi regulamentada pela Portaria nº14.816, publicada nesta segunda-feira (22) no Diário Oficial da União.

Essa regulamentação permite aos municípios suspender, mediante aprovação de lei municipal, as prestações não pagas de termos de parcelamento e as contribuições patronais correspondentes aos meses de março a dezembro de 2020. A medida faz parte do Programa Federativo de Enfrentamento ao novo coronavírus e pode gerar um impacto financeiro de R$ 22,1 bilhões.

A suspensão dessas obrigações financeiras não afasta a responsabilidade dos municípios pelo pagamento dos benefícios previdenciários devidos aos servidores, caso ocorra insuficiência financeira. Além disso, o município também deverá ter capacidade financeira para manter o funcionamento do órgão ou entidade gestora do RPPS.

A portaria estabeleceu ainda que não poderão ser suspensas as contribuições previdenciárias descontadas dos servidores; além disso, não alcança as prestações de parcelamentos ou contribuições patronais que já tenham sido pagas, ainda que com vencimento a partir de março de 2020.

Os valores suspensos deverão ser pagos pelos municípios aos seus regimes de previdência até 31 de janeiro de 2021 ou parcelados até essa data, para pagamento no prazo máximo de 60 meses. As contribuições e parcelas suspensas não impedirão a emissão do Certificado de Regularidade Previdenciária (CRP), até 31 de janeiro de 2021, desde que autorizadas em lei municipal.

Se todos os municípios aprovarem leis que suspendam integralmente os repasses para todo o período de março a dezembro deste ano, o impacto estimado somente com a suspensão do repasse das contribuições patronais é de R$ 18,5 bilhões. Considerando o não pagamento das prestações de parcelamentos, o impacto é de cerca de R$ 3,6 bilhões.

Além da possibilidade de suspensão dos parcelamentos e contribuições patronais, a portaria também prevê a postergação da exigência de algumas obrigações de natureza atuarial estabelecidas pela Portaria MF 464/2018.

 

Leia mais

Boa Esperança libera o funcionamento de lotéricas com restrições

O prefeito de Boa Esperança, Lauro Vieira, decretou...

Governo do ES emite NOTA À POPULAÇÃO

O Governo do Estado estabeleceu no final do mês de março a instalação de barreiras sanitárias...

Sesa recebe kits para diagnóstico do Covid-19

A Secretaria da Saúde (Sesa) solicitou, e o Ministério da Saúde habilitou o Espírito Santo como...

Leia também

Colatina chega a 40 mortes por coronavírus e tem quase 2 mil casos confirmados

O município de Colatina, localizado no Noroeste do Estado, chegou neste domingo (5) a sua 40ª morte por conta da Covid-19, doença causada pelo...

Assessoria de Casagrande diz que responsável por postar vídeo de festa já foi identificado

Video, que, segundo o governo, é de 2017, foi publicado nas redes sociais como se fosse atual. No Twitter, Casagrande disse que responsáveis serão...

Espírito Santo chega a 1.803 mortes e 53.393 casos confirmados de Covid-19

Na comparação com os dados divulgados neste sábado (4), o aumento é de 22 mortes e 569 novos casos da doença. Até o momento,...

Meteorologistas alertam para risco de novo ciclone no Sul

Há possibilidade de um novo ciclone no sul...