Municípios poderão suspender pagamento de contribuições previdenciárias

Governo publica portaria que regulamenta a suspensão de pagamentos aos RPPS municipais

Suspensão não afasta a responsabilidade dos municípios pelo pagamento dos benefícios previdenciários devidos aos servidores.
– Foto:
Arquivo/Agência Brasil

Os municípios que possuem Regimes Próprios de Previdência Social (RPPS) poderão suspender o pagamento de contribuições previdenciárias patronais e as prestações de acordos de parcelamento. A medida, prevista na Lei Complementar nº 173/2020, foi regulamentada pela Portaria nº14.816, publicada nesta segunda-feira (22) no Diário Oficial da União.

Essa regulamentação permite aos municípios suspender, mediante aprovação de lei municipal, as prestações não pagas de termos de parcelamento e as contribuições patronais correspondentes aos meses de março a dezembro de 2020. A medida faz parte do Programa Federativo de Enfrentamento ao novo coronavírus e pode gerar um impacto financeiro de R$ 22,1 bilhões.

A suspensão dessas obrigações financeiras não afasta a responsabilidade dos municípios pelo pagamento dos benefícios previdenciários devidos aos servidores, caso ocorra insuficiência financeira. Além disso, o município também deverá ter capacidade financeira para manter o funcionamento do órgão ou entidade gestora do RPPS.

A portaria estabeleceu ainda que não poderão ser suspensas as contribuições previdenciárias descontadas dos servidores; além disso, não alcança as prestações de parcelamentos ou contribuições patronais que já tenham sido pagas, ainda que com vencimento a partir de março de 2020.

Os valores suspensos deverão ser pagos pelos municípios aos seus regimes de previdência até 31 de janeiro de 2021 ou parcelados até essa data, para pagamento no prazo máximo de 60 meses. As contribuições e parcelas suspensas não impedirão a emissão do Certificado de Regularidade Previdenciária (CRP), até 31 de janeiro de 2021, desde que autorizadas em lei municipal.

Se todos os municípios aprovarem leis que suspendam integralmente os repasses para todo o período de março a dezembro deste ano, o impacto estimado somente com a suspensão do repasse das contribuições patronais é de R$ 18,5 bilhões. Considerando o não pagamento das prestações de parcelamentos, o impacto é de cerca de R$ 3,6 bilhões.

Além da possibilidade de suspensão dos parcelamentos e contribuições patronais, a portaria também prevê a postergação da exigência de algumas obrigações de natureza atuarial estabelecidas pela Portaria MF 464/2018.

 

Leia mais

Programa Agenda Mulher promove curso sobre comunicação não violenta

O programa Agenda Mulher apresenta “Diálogos sobre Comunicação não Violenta para Mulheres Empreendedoras”. A capacitação acontece na próxima quarta-feira (08), às 19h30, e será...

Idaf apreende agrotóxico em situação irregular no mercado da Ceasa/ES

O Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo (Idaf), realizou, nesta quarta-feira (29), uma...

Detran|ES abre agendamento para prova teórica na Ciretran da Serra

O Departamento Estadual de Trânsito do Espírito Santo (Detran|ES) passará a aplicar exames teóricos de processos...

Leia também

Polícia investiga venda de carne de cavalo misturada a de boi no ES

A Polícia Civil, por meio da Delegacia de...

INDICADORES: Café sofre elevação no preço nesta sexta-feira (25)

A saca de 60 quilos do café arábica começou a sexta-feira (25) com alta de 0,34% no preço e é vendida a R$ 536,31...

Nova Lei do Gás tende a baratear custos de produção para a indústria capixaba

Na vanguarda da modernização do mercado de gás natural, o Espírito Santo pode se beneficiar ainda mais com aprovação da Nova Lei do Gás...

Trabalhador morre após ser atingido por pedras de granito no Norte do Espírito Santo

Um trabalhador morreu atingido por uma pedra granito, na manhã desta quarta-feira (24), em Aracruz, no Norte do Espírito Santo. O corpo foi encaminhado...