MP vai à Justiça para que homem pague R$ 300 mil por divulgar dados de criança estuprada

O Ministério Público do Espírito Santo (MPES), ingressou com uma ação contra Pedro Teodoro dos Santos. Segundo o MPES, o homem teve acesso, de forma ilegal, a detalhes do caso da menina de 10 anos vítima de estupro, cuja família optou por realizar a interrupção da gravidez. A informação é de Bruno Dalvi, da TV Gazeta.

De acordo com o MPES, Pedro Teodoro se intitula “político” na cidade e foi um dos participantes da manifestação em frente à casa da família da vítima no dia 15 de agosto. O órgão disse também que o homem é filiado ao PSL em São Mateus.

Segundo a ação, ele, inclusive, invadiu a residência e “promoveu o que se pode chamar de terror psicológico sobre a responsável pela criança de 10 anos”, no intuito de fazer com que ela mudasse a decisão quanto à interrupção da gestação da vítima.

O MP também denunciou à Justiça a extremista Sara Giromini e pediu que ela pague indenização de R$ 1,3 milhão.

Para o promotor Fagner Andrade Rodrigues, Pedro é seguidor das ideias de Sara.

O promotor entendeu que “tal conduta está incluída dentro de uma estratégia midiática de viés político-sensacionalista iniciada pela que se porta como líder do grupo fundamentalista, a radical Sara Giromini, e seguida pelo demandado”.

A reportagem entrou em contato com Pedro Teodoro. Ele atendeu a ligação e quando a equipe se identificou disse “Minha fortaleza é que sou temente a Deus. Levar a palavra de Deus, o amparo, parece que se torna algo criminoso. O bem está sendo confundido com o mau. No momento certo eu vou me pronunciar”.

Ao ser questionado o que foi fazer na casa da família da criança, Pedro desligou o telefone e não atendeu novamente as ligações.

Leia mais

Leia também