MP pede à polícia que investigue vazamentos de dados de menina estuprada no Espírito Santo

O Ministério Público do Espírito Santo (MPES) encaminhou requisição à Polícia Civil para a instauração de inquérito policial para apurar vazamentos de dados sigilosos da menina de 10 anos que engravidou após ser estuprada em São Mateus.

O vazamento já é investigado pelos ministérios públicos Federal e Estadual.

O MPES requisitou que a polícia investigue todo o tipo de vazamento ocorrido desde o momento em que a criança buscou o primeiro atendimento médico no hospital de São Mateus.

O Ministério Público entende que “a exposição precoce do caso trouxe dificuldades para o acompanhamento protetivo da vítima e potencializou sobremaneira o sofrimento da criança”.

Segundo o MPES, diante da amplitude das divulgações feitas utilizando o nome da criança e do hospital em que ela realizou o procedimento de interrupção da gestação, houve “grave constrangimento”. O órgão também apontou que a divulgação “revitimizou a criança”, por conta das manifestações realizadas no hospital.

O MPES divulgou ainda que foram remetidas cópias da ação cautelar ajuizada pelo MPES, no próprio dia das postagens da extremista Sara Giromini, ao Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), local onde as postagens foram feitas.

O MPES entrou com ações contra Sara e um homem morador de São Mateus.

Aborto em Pernambuco

A menina interrompeu a gestação em Recife por ordem da Justiça.

A saída da criança do Centro Integrado de Saúde Amaury de Medeiros (Cisam) foi confirmada nesta quarta (19), mas a data e horário da alta e o destino da menina não foram divulgados.

A família da menina aceitou participar do Programa de Apoio e Proteção às Testemunhas, Vítimas e Familiares de Vítimas da Violência (Provita), oferecido pelo Governo do Espírito Santo e que prevê apoio como mudança de identidade e de endereço.

Prisão

O tio da menina, de 33 anos, foi preso em Betim, em Minas Gerais. Depois de preso, o tio foi ouvido pela polícia, mas o teor do depoimento não foi divulgado. “Informalmente” ele teria confessado o abuso aos policiais que fizeram a prisão.

O homem seguiu para o Complexo Penitenciário de Xuri, em Vila Velha, na Grande Vitória. Ele foi indiciado por estupro de vulnerável e ameaça e estava foragido desde a última semana.

A Polícia Civil do Espírito Santo já recebeu, do Instituto de Genética Forense de Pernambuco, os perfis genéticos do feto e da menina.

Segundo a polícia, os perfis genéticos estão sob análise no Laboratório de DNA da corporação para que sejam feitas as confrontações com o perfil do tio da menina.

Ainda de acordo com a polícia, o material biológico do preso já foi coletado para processamento.

Leia mais

Leia também