Ministro descarta a necessidade de racionamento de energia

Em audiência pública da Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, descartou a necessidade de racionamento de eletricidade. Ele ressaltou que não é possível comparar a crise atual com as que aconteceram em 2001 e 2014.

Privatização da Eletrobras é aprovada e vai à sanção presidencial

Decisão sobre reajuste de bandeiras tarifárias deve sair até o fim do mês

O ministro também alertou para a importância de medidas que evitem o risco de interrupção no fornecimento em horários de pico e a dependência do próximo período de chuva. Em 2020, a condição dos reservatórios era de normalidade, mas com a diminuição de chuvas entre outubro do ano passado e maio deste ano, 2021 já começou em uma situação pior. 

Atualmente, os reservatórios das regiões Sudeste e Centro-Oeste, responsáveis por 70% da geração de energia do país, estão com apenas 30,2% de sua capacidade. Segundo Albuquerque, o plano de ação posto em prática tem 40 itens, como o acionamento das usinas termelétricas, o aumento da importação de eletricidade da Argentina e Uruguai, e uma campanha para estimular o uso racional de energia.

Foto: Marcelo Camargo/Agência BrasilFoto: Marcelo Camargo/Agência Brasil