México anuncia envio de artigos alimentares e sanitários a Cuba: “solidariedade internacional”


Numa medida que denominou de “solidariedade internacional”, o governo do México, de López Obrador, anunciou que enviará suprimentos médicos, alimentos e gasolina a Cuba para ajudar a ilha que sofre com o bloqueio econômico imposto pelos Estados Unidos e viu sua situação econômica deteriorar durante a pandemia da Covid-19.

O anúncio do governo mexicano ocorre após protestos golpistas, apoiados pelo presidente dos EUA, Joe Biden, ocorrerem no país. Apesar da reação, com centenas de milhares de manifestantes contra o golpe nas ruas, ter vencido os protestos da direita, a situação ocorrida em Cuba foi inédita e se deu pelo aproveitamento diante da situação ruim do país em decorrência do bloqueio norte-americano.

López Obrador se manifestou contra o “intervencionismo” na crise cubana e defendeu o levantamento do embargo dos Estados Unidos à ilha, em vigor há seis décadas.

O carregamento mexicano inclui seringas (fundamentais para a vacinação contra a Covid-19), cilindros de oxigênio para tratar o vírus e máscaras faciais para enfrentar a emergência sanitária causada pelo novo coronavírus, além de leite em pó, feijão, farinha de trigo, latas de atum, óleo de cozinha e diesel.

Cuba enviou brigadas médicas ao México para tratar da pandemia no início deste ano.

O governo mexicano também anunciou que na próxima terça-feira entregará 150 mil doses da vacina anticovid da AstraZeneca à Guatemala, depois de já ter doado 400.000 vacinas a Cuba, Honduras e El Salvador.

Lula pede fim do bloqueio econômico a Cuba

O ex-presidente Lula (PT) assinou uma carta pedindo para que o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, interrompa imediatamente o bloqueio econômico a Cuba. Além de Lula, mais de 400 ex-chefes de estado, políticos, intelectuais, cientistas, religiosos, artistas, ativistas e movimentos sociais de todo o mundo assinaram o documento.

Entre os signatários do “Let Cuba Live” (Deixe Cuba Viver), estão Jane Fonda, Susan Sarandon, Emma Thompson, Danny Glover, Wagner Moura, Mark Ruffalo, Judith Butler, Noam Chomsky, Gayatri Spivak, Adolfo Pérez Esquivel, Rafael Correa e movimentos como o Black Lives Matter (EUA) e o MST.

“Consideramos inescrupuloso, especialmente durante uma pandemia, bloquear intencionalmente as remessas e o uso de instituições financeiras globais por parte de Cuba, visto que o acesso a dólares é necessário para a importação de alimentos e medicamentos”, diz a carta.

Além de manter o bloqueio econômico, o governo Biden anunciou que vai impor sanções às forças militares cubanas e aos oficiais do Ministério do Interior do país. Biden disse que as sanções dos EUA contra Cuba são “apenas o início”, e afirma que Washington continuará a sancionar os responsáveis pela suposta opressão do povo cubano.