Menina de 4 anos picada por escorpião no Espírito Santo tem alta médica

A menina de quatro anos que foi picada por um escorpião em Linhares, no Norte do Espírito Santo, teve alta médica na manhã desta quarta-feira (2).

A criança estava no Hospital Infantil de Vitória e chegou a ficar internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) em estado grave.

O acidente aconteceu no dia 19 de agosto.

Depois dela se queixar de dor no dedo ao brincar no quintal de casa, a avó teria dado um copo de água para a criança. Na sequência, a menina começou a vomitar e foi levada para uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do município, onde já chegou em estado grave.

“Foi muito rápido. Ela foi levada para o hospital imediatamente. O quadro dela já se agravou no caminho e ela chegou na unidade muito debilitada, com o coração muito acelerado e vomitando muito. A prioridade dos médicos era fazer ela para de vomitar e entender o que tinha acontecido, porque a gente não viu a picada nela”, contou a mãe, Isamoa de Souza Castro.

Na unidade, a mãe contou que foi feito um exame de sangue na criança e a partir de um inquérito sobre os sintomas da menina chegou-se a conclusão de que Ester foi picada por um escorpião amarelo. “Ela não conseguia dizer o que tinha acontecido e achava que tinha sido picada por uma abelha”.

A criança foi encaminhada para o Hospital Infantil de Vitória no mesmo dia do acidente.

Características

Como relatado pela mãe da criança, a picada de escorpião nem sempre deixa marcas. O acidente, segundo a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), acontece quando o animal injeta o veneno em alguma pessoa através de seu ferrão, que fica na cauda.

A Sesa explicou que quando alguém é picado por um escorpião o veneno pode provocar efeitos na região da picada ou distante. O mais característico deles é a dor de intensidade variável, podendo ser intensa e acompanhada de dormência, com duração de algumas horas.

A secretaria informou ainda que escorpiões são carnívoros e se alimentam, nas áreas urbanas, principalmente de baratas.

O hábito deles é de procurar alimentos durante a noite, podendo entrar nas casas por encanamentos de esgoto, tubulações para fiações, frestas de parede, portas e janelas. Eles podem ficar escondidos da claridade debaixo de pedras, madeiras, telhas, troncos de árvores, dentro de calçados, armários e gavetas.

Orientação

Em caso de acidente, a orientação é limpar o local água e sabão e procurar serviço de saúde mais próximo para avaliação médica.

A vítima não deve não amarrar, colocar terra ou pó de café sobre a picada, cortar ou espremer a pele e nem fazer curativos sobre a área picada.

Acidentes

De janeiro a junho deste ano, a Sesa registrou 184 picadas de escorpião em crianças com menos de 14 anos. Seis desses acidentes foram graves.

  • Menores de 1 ano: 1 caso
  • 1 a 4 anos: 39 casos
  • 5 a 9 anos: 63 casos
  • 10 a 14 anos: 82 casos

Como prevenir

A Sesa orienta que se adote as seguintes medidas para evitar acidentes com escorpiões:

  • mantenha o quintal e jardim sempre limpos, evitando plantas com muita folhagem;
  • lugar sujo é um bom ninho para os escorpiões, por isso, não jogue lixo nem entulhos ao redor da casa;
  • elimine latas velhas, cacos de telhas e outros objetos que possam acumular água (escorpiões têm necessidade de água);
  • acabe com as baratas, elas são um bom alimento para escorpiões;
  • acabe com buracos e frestas de paredes, janelas, portas e muros;
  • observe com cuidado os panos de chão e as roupas úmidas antes de recolher;
  • tenha cuidado para não ser picado nas mãos quando mexer em montes de lenha, entulhos, folhagens e buracos;
  • faça uma busca dentro e fora de casa;
  • observe com cuidado roupas e sapatos, sacudindo-os antes de vestir ou calçar;
  • sapos, lagartos, galinhas, gansos e corujas são predadores naturais dos escorpiões;
  • se você for picado, procure imediatamente o serviço de saúde mais próximo e, se possível, leve o animal.

Atendimento

Para outras informações, deve-se entrar em contato com o Centro de Informação e Assistência Toxicológica (CIATox) pelo telefone 0800-283-9904. O atendimento é feito todos os dias, inclusive finais de semana e feriados, 24 horas.

 

Leia mais

Leia também