Mais de 7 milhões de empregos já foram mantidos com Benefício Emergencial

e33bc5e7-9afb-4db1-a5bb-ff23f2a9df18.jpeg

Os recursos para o pagamento do benefício pelo governo somam R$ 12,7 bilhões
– Foto:
Divulgação/EBC

Cerca de 7,2 milhões (7.206.915) de postos de trabalho já foram mantidos no País desde que o Governo Federal lançou o Benefício Emergencial para Preservação da Renda e do Emprego. Para isso, foram destinados R$ 12,7 bilhões de reais. A previsão é pagar até 18 de maio mais R$ 1,7 bilhão a 1.418.684 empregados.

O BEm foi criado por meio da Medida Provisória 936/2020 e ajuda empresários e trabalhadores no enfrentamento da pandemia no novo coronavírus. O programa prevê o pagamento de benefício ao empregado que tiver a jornada de trabalho reduzida ou o contrato de trabalho suspenso temporariamente. O valor destinado pelo governo tem como base de cálculo o seguro-desemprego a que ele teria direito.

O escrevente Afonso Henrique dos Santos trabalha em um cartório no Distrito Federal e é um dos beneficiários da medida. Com a Covid-19, as atividades no local caíram por volta de 70% e, para não ter que demitir funcionários, o seu empregador aderiu ao BEm. Com um faturamento menor, a saída da empresa foi suspender, por três meses, o contrato de trabalho de metade dos funcionários do cartório.

Para Afonso, a medida adotada pela chefia foi importante para não haver demissões enquanto a receita do cartório está mais baixa. “Concordei com os termos e achei necessário por conta do momento que estamos vivendo. Sabemos que muitas empresas não optaram por essa ação e acabaram demitindo parte de seus funcionários. Essa medida protegeu muito os nossos empregos”, disse. “Manteremos esperança de retorno ao trabalho e que tudo se normalize o mais rápido”, completou.

Balanço

Balanço da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia mostra que quase 55% (54,9%) dos beneficiados tiveram suspensão do contrato de trabalho. A redução de 50% da jornada e remuneração representa 17,2%. Já a redução de 70% chegou a 12,2% dos trabalhadores, e a de 25%, a 13,4% de empregados. Os intermitentes respondem por 2,3% do total.  

O estado com maior percentual de empregos preservados até o momento é São Paulo, com 33%, seguido por Rio de Janeiro (10,1%) e Minas Gerais (9,5%).

A maior parte dos trabalhadores atendidos tem entre 30 e 39 anos (30,8%), seguido por pessoas com idade de 40 a 49 anos (20,7%). Os jovens de 18 a 24 anos representam 17,4%. O valor do benefício médio é de R$ 1.766,50, com parcela mensal média de R$ 720,73.

Os dados do Ministério da Economia foram calculados até às 14h de terça-feira (12).

 

Leia mais

Primeiro lote de ventiladores pulmonares vindo dos EUA chega ao Brasil

Brasil irá receber um total de mil ventiladores pulmonares doados pelos Estados Unidos. – Foto: ...

Secretaria de Segurança cria força-tarefa após ônibus serem incendiados na Grande Vitória

Órgão divulgou que investigações sobre os crimes registrados nos últimos dias estão avançando. Sesp divulgou que está avançando nas investigações sobre os ataques a ônibus...

Espírito Santo: mais de 2,8 milhões de pessoas fizeram algum afazer doméstico em 2019

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad-Contínua), do IBGE, divulgou esta semana, a pesquisa sobre “Outras formas de trabalho”, na qual apresenta alguns...

Tocantins lança programa de regularização fundiária nesta quarta-feira (22)

O governo do Tocantins lança, nesta quarta-feira (22), o programa ‘Essa Terra é Nossa”. Por meio de uma live no Palácio Araguaia, o chefe...

Leia também

Polícia Federal atuará junto a órgãos de segurança durante as eleições

A Polícia Federal e a Secretaria de Operações Integradas do Ministério da Justiça e Segurança Pública assinaram um Acordo de Cooperação Técnica para trabalharem...

STF define que municípios terão liberdade para adotar medidas de combate à pandemia

No exercício de suas atribuições e no âmbito de seus territórios, o Distrito Federal e os municípios terão liberdade para adotar medidas de combate...