Mais de 160 mil trabalhadores ficaram sem remuneração em maio no Espírito Santo

Do total de 1,8 milhão de trabalhadores do Espírito Santo, 328 mil estavam afastados do trabalho e, entre estes, 162 mil estavam sem sua remuneração, o equivalente a 9,2% da população ocupada em maio de 2020. O dado é da Pesquisa Nacional por amostra de Domicílio (PNAD Covid-19), feita pelo IBGE. Os dados de todo o país foram divulgados nesta quarta-feira, 24.

A PNAD Covid-19 constatou ainda que 27,5% da população ocupada não afastada (ou 399 mil pessoas) trabalharam menos do que a sua jornada habitual, enquanto 3,4% (49 mil pessoas) trabalharam acima da média habitual. A média semanal de horas efetivamente trabalhadas (29,7h) no Estado ficou abaixo da média habitual (40,3h). Efeito similar foi observado no rendimento efetivo dos trabalhadores (R$ 1.728), que ficou 18,6% abaixo do rendimento habitual (R$ 2.124).

Em maio, 38% dos domicílios do Estado receberam algum auxílio monetário do governo relacionado à pandemia, no valor médio de R$ 811. A PNAD Covid-19 estimou que 474 mil pessoas (ou 11,7% da população) apresentaram algum dos sintomas pesquisados de síndromes gripais. Estimou, ainda, que 55 mil pessoas (ou 1,4% da população) apresentaram sintomas conjugados de síndrome gripal que podiam estar associados à Covid-19 (perda de cheiro ou sabor ou febre, tosse e dificuldade de respirar ou febre, tosse e dor no peito).

 

Leia mais

Leia também